Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Eric Gaillard/REUTERS
Eric Gaillard/REUTERS

Sorrell vence primeiro embate com a WPP

Após ser forçado a sair do grupo que fundou,executivo venceu adisputa pela holandesa MediaMonks

The New York Times

16 de julho de 2018 | 05h00

Martin Sorrell, ex-presidente da gigante de propaganda WPP que agora está tentando construir uma nova agência, venceu seu ex-empregador na compra de uma empresa de marketing holandesa na terça-feira, medida que segundo a WPP poderia colocar em risco milhões de dólares da remuneração em ações que o executivo ainda detém na empresa.

A nova firma de Sorrell, a S4 Capital, disse em um comunicado que comprou a MediaMonks, que tem 11 escritórios e mais de 750 funcionários. A empresa de marketing arrecada cerca de ¤ 110 milhões de receita anual, e a compra é o primeiro movimento da S4 na criação de “uma nova era, nova solução de mídia, abrangendo dados, conteúdo e tecnologia”, segundo o comunicado. O negócio foi de € 300 milhões e será pago em dinheiro e ações, segundo uma pessoa familiarizada com o acordo.

A aquisição foi contenciosa porque a WPP, que demitiu Sorrell em abril, também estava concorrendo. Na semana passada, advogados da WPP enviaram a Sorrell, de 73 anos, uma carta dizendo que ele estava arriscando seus futuros prêmios em ações ao mirar a compra da empresa. A carta dizia que a WPP começou a considerar a compra da MediaMonks em novembro, e que Sorrell, que era o principal executivo do conglomerado, “estava fortemente engajado nesse processo”.

A WPP disse, em comunicado, que reitera a posição de seu time legal. Um porta-voz de Sorrell disse que o executivo “nega vigorosamente as alegações”.

Sorrell também foi alvo de recentes reportagens do Financial Times, detalhando as alegações de comportamento intimidador, e uma no The Wall Street Journal, segundo o qual sua saída da WPP foi precedida por uma investigação da empresa sobre suposto uso de dinheiro da empresa para pagar uma prostituta. Sorrell negou o conteúdo de ambas as reportagens.

“Temos um enorme respeito por Sir Martin”, disse Wesley ter Haar, fundador e diretor de operações da MediaMonks, ao ser questionado sobre as alegações. “A companhia está sendo construída sobre uma base de cultura que a MediaMonks já possui, por isso estaremos construindo uma empresa para a próxima geração, que é toda sobre diversidade e inclusão.”

Ele acrescentou que o destaque para a empresa foi “a oportunidade de trabalhar com uma lenda que já tumultuou a indústria (da comunicação) antes e planeja fazê-lo novamente”.

A S4 Capital planeja ser negociada em bolsa nos próximos meses. Sorrell é o seu presidente executivo e aportou parte do capital. A MediaMonks, que tem clientes como Amazon, Johnson & Johnson e Netflix, receberá ações da S4 Capital e dinheiro como parte da aquisição, de acordo com o comunicado sobre o negócio. / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

“Temos um enorme respeito por Sir Martin. A companhia está sendo construída sobre uma base de cultura que a MediaMonks já possui, por isso estaremos construindo uma empresa para a próxima geração, que é toda sobre diversidade e inclusão.”

Tudo o que sabemos sobre:
Martin Sorrell

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.