Sozinha, Usiminas ampliará produção em mais de 50%

A Usiminas anunciou nesta quinta-feira, 15, que seu conselho de administração aprovou o aumento da capacidade de produção de aço do grupo em 5 milhões de toneladas por ano até 2015. Isso representa expansão de pouco mais de 50% frente a cerca de 9 milhões de toneladas produzidas atualmente. "A estratégia de crescimento vai demandar, somados os investimentos previamente anunciados, valores da ordem de US$ 8,4 bilhões", informou a empresa em comunicado. Na usina de Ipatinga, em Minas Gerais, a Usiminas investirá cerca de US$ 2 bilhões para elevar a capacidade de produção de aço em 2,2 milhões de toneladas por ano. Além disso, serão alocados outros US$ 600 milhões para transformar o aço em produtos laminados, que têm maior valor agregado. A previsão é de que essas etapas estejam concluídas entre 2010 e 2011. Outros US$ 2,7 bilhões serão destinados a uma expansão de 3 milhões de toneladas de aço. O local prioritário para esse investimento é Cubatão, em São Paulo. A estimativa é de que essa capacidade esteja disponível entre 2013 e 2014. O plano estratégico anterior da Usiminas para o período 2005-2015 previa a presença de parceiros para garantir o crescimento da companhia. "Fizemos estudos e chegamos à conclusão: vamos fazer primeiro em Ipatinga ... a Usiminas não tem necessidade de parceiros nessa ampliação", afirmou a jornalistas o presidente da empresa, Rinaldo Soares. "Esqueçam daqui para a frente que os projetos estão condicionados a parceiros", reforçou. A Usiminas tem ainda em andamento investimentos de US$ 1,4 bilhão na implantação de uma nova linha de laminados a quente na reforma do alto-forno 1, entre outros programas em Cubatão. Em Ipatinga já estão sendo aplicados pouco menos de US$ 2 bilhões na implantação de uma aciaria e de uma coqueria, entre outros investimentos. Segundo Soares, 30% do investimento total até 2015 será feito com capital próprio e o restante, com financiamentos. Entre eles estão recursos de empréstimo de US$ 240 milhões contratado junto ao Japan Bank for International Cooperation (JBIC). A siderúrgica, importante fornecedora de placas de aço para o setor automotivo do país, também informou que o conselho autorizou contratação de nova linha de crédito de US$ 300 milhões, com prazo de disponibilidade de três anos e amortização em dois anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.