finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

SP começa hoje a receber conta em minutos

Na capital paulista, mudança atingiu 2,5 milhões de linhas; a maioria migrou de pulso para o plano básico

Rosangela Dolis, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2020 | 00h00

As primeiras contas com chamadas locais entre telefones fixos calculadas em minutos, e não mais em pulsos, começam a chegar a partir de hoje aos assinantes da Telefônica na cidade de São Paulo.O primeiro vencimento no novo sistema será sexta-feira, dia 24. Na capital, foram atingidas pela mudança 2,5 milhões de linhas. A quase totalidade dessas linhas migrou de pulsos para o plano básico, que é indicado para quem faz ligações curtas, de até 2 minutos e 30 segundos, e acessa internet por banda larga.Um número pequeno de assinantes optou pelo plano alternativo (Pasoo), mais indicado para quem faz chamadas de duração acima de 2 minutos e 30 segundos e acessa a internet por meio de discador.De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), se o assinante escolheu o plano certo para o seu perfil de usuário, e desde que o padrão de uso não tenha sido alterado no período da medição, o total em minutos relativo às chamadas locais deve apresentar valor parecido com o que vinha sendo calculado no sistema de pulsos.Dessa forma, a primeira indicação de que houve opção pelo plano errado é o total das ligações locais ser maior que nos meses anteriores. Nesse caso, o assinante pode mudar de plano. Basta procurar a companhia telefônica. Antes da capital, outros 6,3 milhões de assinantes no Estado receberam a conta em minutos.Segundo a Telefônica, a alteração ocorreu sem problemas. ''''Em julho, tivemos um aumento de 60% nas chamadas ao call center (pelo número 10315), mas a maioria era solicitação de esclarecimentos e não reclamações'''', diz Eduardo Bernstein, diretor de Produtos da Telefônica.Os Procons de regiões do interior, onde a migração foi feita anteriormente, também não registraram aumento de reclamações, mas sim de dúvidas.De acordo com a Telefônica, após o recebimento da primeira conta, em outras áreas do Estado houve migrações entre planos, em especial do básico para o alternativo. ''''Antes do recebimento da primeira conta, apenas 1% dos clientes tinham optado pelo alternativo, e depois essa proporção subiu para 5%'''', diz Bernstein.ORIENTAÇÃOSelma do Amaral, assistente de direção do Procon, observa que todos que não entraram em contato com a Telefônica para escolher o plano alternativo migraram automaticamente para o básico. ''''Ao receber a conta, o assinante deve ler atentamente a fatura, checar se o plano é o escolhido.''''Ela adianta que o total das chamadas locais vai trazer apenas duas informações: a quantidade de minutos utilizados no horário normal e no horário reduzido. ''''Parte do uso está incluído na franquia, que é de 200 minutos no plano básico e 400 minutos no alternativo.'''' A cobrança recai sobre o que exceder a franquia.Caso o assinante detecte valor maior que a sua média em pulsos, o mais indicado antes de mudar de plano é pedir um detalhamento da conta e o comparativo com o outro plano.O prazo médio para recebimento, após solicitação pelo 10315, é de cinco dias. Deve-se também considerar se no período foi mantido o padrão de uso da linha dos meses anteriores.COMPARATIVOA Telefônica, assim como todas as operadoras de linhas fixas no País, está obrigada a emitir a conta detalhada das chamadas locais, identificando o número chamado, o horário, a duração da chamada e o seu valor.Esse serviço não pode ser cobrado, mas só é fornecido sob solicitação.Podem ser cobrados apenas a segunda via e o fornecimento de detalhamento de ligações contido em documento de cobrança cujo vencimento ocorreu há mais de 120 dias da solicitação.O comparativo também é gratuito e fornecido sob solicitação do assinante.O modelo da Telefônica traz as informações necessárias para que o assinante recalcule sua conta pelas condições do plano que ele não escolheu e possa comparar com o valor cobrado pelo plano escolhido.O comparativo informa o número de chamadas no horário normal e sua duração média e o número de chamadas no horário reduzido. Traz também um passo a passo para cálculo da conta no plano não escolhido, para que a comparação possa ser feita.Caso verifique no comparativo que fez a opção pelo plano errado, o assinante pode pedir a mudança de plano a qualquer momento. Basta ligar para o telefone 10315 (funciona 24 horas, todos os dias).A comparação do total relativo a chamadas locais em pulso e minutos é válida porque o valor das tarifas não foi alterado em 20 julho pela Telefônica, embora a operadora tenha sido autorizada a aplicar reajuste naquele mês.A operadora reajustou apenas o valor da assinatura básica, de R$ 37,98 para R$ 38,80. As novas tarifas entram em vigor dia 1º de outubro.NÚMEROS 2,5 milhõesde linhas serão atingidas pela mudança de aferição das ligações de pulso para minutos, a partir da próxima sexta-feira6,3 milhõesde assinantes no interior do Estado já migraram para o sistema de cobrança por minutoR$ 38,80 é o valorda assinatura básica do serviço de telefonia que entrará em vigor em 1º de outubro200 minutosé a franquia para a assinatura do plano básico400 minutosé a franquia para a assinatura do plano alternativo2,3 minutosé o parâmetro para o assinante decidir se deve se escolher o plano básico, ou o plano alternativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.