Epitacio Pessoa/Estadão
Epitacio Pessoa/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

SP inaugura primeiro aeroporto privado voltado para a aviação executiva do País

O Catarina, em São Roque, foi aberto depois de seis anos de obras e tem capacidade para receber os maiores jatos executivos do mundo

Ana Luiza de Carvalho, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2019 | 15h12

O grupo JHSF inaugurou ontem o primeiro aeroporto privado voltado à aviação executiva do Brasil, no município de São Roque (SP), a cerca de 60 km da capital. O São Paulo Catarina Aeroporto (SPCA), às margens da Rodovia Castelo Branco, tem capacidade para 200 mil pousos e decolagens domésticos e internacionais por ano.

O empreendimento foi construído e será gerido pela JHSF, dona de marcas dos ramos hoteleiro e imobiliário como Fasano e o Shopping Cidade Jardim. José Auriemo Neto, presidente do conselho do grupo, afirmou que o projeto representa um avanço para novos setores. “Esse aeroporto foi pensado há dez anos, depois que identificamos uma oportunidade de contribuir para a melhoria da aviação executiva e de atender os clientes que já conheciam nossa empresa nos setores de alta renda que atuamos.” 

O aeroporto faz parte do Empreendimento Urbanístico Integrado Catarina, com 7 milhões de metros quadrados, que inclui outlet de grifes internacionais da JHSF. O Catarina poderá receber os maiores jatos de aviação executiva do mundo. A pista de pouso tem 2,47 km de extensão, maior que a do Aeroporto de Congonhas, com 1,94 km. O espaço tem 6 mil metros quadrados de hangares e 21,6 mil metros quadrados de pátio, além de um heliponto.

O governador de São Paulo, João Doria, afirmou que, no médio prazo, o Catarina deve absorver o fluxo do Aeroporto Campo de Marte, no centro da capital. “Vamos estabelecer um cronograma com o ministro Tarcísio Gomes de Freitas para a desativação completa do aeroporto. O formato e o período serão anunciados em janeiro”, afirmou. A previsão é de que o Campo de Marte receba apenas helicópteros no futuro. 

Investidor em aviação executiva, o presidente do grupo CB, Michael Klein, disse que o Catarina deve receber a demanda reprimida de jatos executivos pela falta de infraestrutura. “O Aeroporto de Congonhas já está um pouco saturado. A aviação comercial ocupa muito espaço e não sobra para a aviação executiva.” Klein é o principal acionista da Via Varejo, dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio. 

Polêmica

A obra do aeroporto durou seis anos e teve sua inauguração adiada diversas vezes em meio a denúncias de irregularidades. O ex-governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT) foi condenado em primeira instância pela Justiça Eleitoral de Minas a 10 anos e 6 meses de prisão por tráfico de influência e lavagem de dinheiro no período em que foi ministro do governo de Dilma Rousseff. Os crimes teriam relação com o projeto do aeroporto. Em depoimento à Justiça, Pimentel negou as acusações.

A JHSF diz que não foi apresentada denúncia contra a companhia e que não faz parte do processo. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
aeroportoaviaçãoSão Roque [SP]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.