finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

SP tem queda forte na população ocupada, puxada pela indústria

Setor surpreendeu ao eliminar 93 mil vagas na região metropolitana de São Paulo em março

Daniela Amorim, da Agência Estado,

25 de abril de 2013 | 11h25

A taxa de desemprego recuou de 6,5% em fevereiro para 6,3% em março na região metropolitana de São Paulo, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, a queda na desocupação foi puxada pelo aumento da inatividade, uma vez que, no período, houve redução de 1,3% na população ocupada, o equivalente à dispensa de 127 mil trabalhadores. O setor que mais cortou postos de trabalho na região foi a indústria, que eliminou 93 mil vagas. 

"Houve redução forte na população ocupada em São Paulo. Esse dado não é esperado. A região começa a dispensa de temporários em fevereiro, porque carnaval não retém trabalhadores", lembrou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

São Paulo registrou recuo tanto na população ocupada como na população desocupada (-4,4%, 30 mil pessoas a menos em busca de emprego) e, desse modo, sustentou a diminuição na taxa de desemprego na região na passagem de fevereiro para março. "A queda na população ocupada em São Paulo não se reverteu em desocupação, porque ela foi para a inatividade. A gente precisa aguardar a próxima pesquisa, do primeiro mês do segundo trimestre, onde pode ter um quadro de recuperação na economia com contratação de trabalhadores", ponderou Azeredo.

A região responde por cerca de 40% da pesquisa. Dentro da região, a indústria tem peso importante na contratação de mão de obra, por isso a redução de 93 mil postos de trabalho no setor em março impactou o resultado final. "Em São Paulo, foi a indústria que mais dispensou agora no mês de março. É um setor expressivo. Então não é um resultado favorável, visto que já se espera, no final do primeiro trimestre e início do segundo trimestre, uma reação da indústria de se organizar no sentido de que não haja contratações, mas que também não haja perda de vagas", explicou o coordenador do IBGE.

São Paulo foi a única região metropolitana a registrar queda expressiva na população ocupada em março. O movimento contrariou um comportamento sazonal registrado pela pesquisa, de dispensa de trabalhadores temporários em janeiro, mas ligeira recuperação nos meses seguintes. Em 2013, o mercado de trabalho paulista registrou redução de 1,3% no número de ocupados em janeiro, além de queda de 0,7% em fevereiro e novo recuo de 1,3% em março.

Entretanto, Azeredo chama a atenção para o forte aumento na contratação de temporários no último trimestre de 2012, o que poderia estar ocasionando ainda a dispensa de trabalhadores na região no primeiro trimestre de 2013. Em outubro do ano passado, a região registrou aumento de 1,4% no total de ocupados, seguido por expansão de 0,7% em novembro e crescimento de 0,6% em dezembro.

"Ao todo, houve aumento de 2,6% no número de ocupados no último trimestre do ano passado. E, houve perda de 3,3% no primeiro trimestre de 2013. São Paulo ainda está dispensando temporários", avaliou o coordenador do IBGE. "Essa perda pode ter sido ocasionada pelo aumento (na ocupação) que teve no último trimestre. Mas houve dispensa maior de trabalhadores do que o que foi contratado", acrescentou. 

Tudo o que sabemos sobre:
DesempregoindustriaSao PauloIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.