SP volta a ter cesta básica mais cara após 8 meses

O maior custo da cesta básica em março foi verificado em São Paulo, pelo preço de R$ 166,96, segundo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese). A capital paulista voltou a liderar o ranking das cidades pesquisadas pelo Dieese com o custo da cesta básica mais alto, após oito meses em segundo lugar, ficando sempre atrás de Porto Alegre. A última vez que a cesta de São Paulo registrou o maior custo entre as 16 capitais da pesquisa do Dieese foi em junho de 2003. Na ocasião, a cesta paulistana custava R$ 169,22 ante R$ 167,96 de Porto Alegre. A partir daí até fevereiro deste ano, a cesta da capital gaúcha se despontou como a mais cara da lista.Apesar de apresentar o maior custo de março, houve uma redução de 0,02% no preço da cesta básica dos paulistanos, o que significa, segundo o Dieese, "uma relativa estabilidade no preço do conjunto de gêneros básicos". Nos três primeiros meses deste ano, a cesta básica de São Paulo acumula ganho de 1,32%. Na comparação com o resultado há um ano, no entanto, há uma queda de 4,37%.Preços dos itensO custo mais elevado da cesta de São Paulo se deve à alta de sete dos 13 itens que compõem o indicador. São eles: óleo de soja (5,93%), farinha de trigo (4,18%), café (2,91%), tomate (2,86%), batata (0,90%), pão francês (0,65%) e banana nanica (0,59%). Outros cinco produtos apresentaram deflação no mês em questão: açúcar refinado (-9,09%), arroz agulhinha tipo 2 (-4,10%), feijão carioquinha (-2,62%), carne bovina de primeira (-0,70%) e manteiga (-0,53%). O preço do leite in natura tipo C ficou estável. A queda verificada em Porto Alegre fez com que a cidade deixasse de apresentar o maior valor para a cesta. "Assim, a capital gaúcha teve o segundo maior valor para a ração essencial mínima, de R$ 163,80, enquanto o terceiro foi apurado em Brasília (R$ 162,92)", comparou a nota do Dieese à imprensa. Os menores valores foram registrados em Recife (R$ 137,44), Salvador (R$ 138,06) e João Pessoa (R$ 139,99).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.