SPC intervém em fundo de pensão da CSN

A Secretaria de Previdência Complementar (SPC), do Ministério da Previdência Social, decretou hoje uma intervenção branca na Caixa Beneficente dos Empregados da Companhia Siderúrgica Nacional (CBS), que é o fundo de pensão da empresa. Segundo informou o secretário de Previdência Complementar, José Roberto Savóia, será nomeado um administrador especial para trabalhar em conjunto com a direção do fundo com o objetivo de resolver o desequilíbrio atuarial, calculado em R$ 435 milhões.O secretário explicou que este dinheiro tem que ser aportado pela empresa patrocinadora, no caso a CSN. Como não se chegou a uma solução para resolver o problema, a nomeação do administrador foi necessária. Ele disse que o déficit vem se acumulando há vários anos. O fundo já sofreu uma intervenção em 1990, mas não resolveu o problema. O fundo da CSN tem mais de 11 mil participantes, a maior parte já recebendo aposentadoria. O patrimônio do fundo é de R$ 630 milhões.Savóia afirmou que a decisão foi tomada com o objetivo de proteger os interesses dos participantes da entidade. "Não olhamos o mercado de ações. Nos pautamos pelo interesse do participante", afirmou, comentando sobre a queda das ações da CSN após o anúncio da intervenção.O secretário está confiante numa solução rápida para o problema do desequilíbrio atuarial do fundo. Ele acredita que o prazo de 120 dias dado pela SPC para o administrador especial chegar a um entendimento com a CSN não seja necessário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.