Speedy precisa ter o provedor, diz Justiça

A Telefônica conseguiu cassar a liminar obtida pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) contra a exigência de provedor de acesso para o serviço de internet rápida Speedy. A Justiça citou como motivo o argumento da Telefônica de não estar autorizada a prestar o serviço sem o provedor de acesso e a ausência da indicação de quais associados do Idec têm contrato com a operadora. Segundo o diretor de negócios de banda larga da Telefônica, Fábio Bruggioni, a liminar colocava em risco a prestação do serviço. A operadora tem mais de 250 mil clientes no Speedy.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.