Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Speedy tem média de 2,3 mil vendas diárias, afirma Telefônica

Após fim da suspensão aplicada pela Anatel, companhia vendeu 111 mil pontos de acesso de banda larga

MICHELLY CHAVES TEIXEIRA, Agencia Estado

14 de outubro de 2009 | 11h37

Desde que foi autorizada a retomar as vendas do serviço de banda larga Speedy, em 27 de agosto, até esta última terça-feira, 13, a Telefônica vendeu 111 mil pontos de acesso. A média diária é de 2,3 mil novas assinaturas, informou nesta quarta-feira, 14, o presidente da operadora, Antonio Carlos Valente. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) havia suspendido, em 22 de junho, as vendas do serviço, em virtude das panes ocorridas no sistema de banda larga da Telefônica.

Na abertura do evento Futurecom 2009, em São Paulo, Valente discorreu sobre como a indústria pode disseminar os serviços de internet rápida na classe C. Esse feito, segundo ele, passa pela desoneração de tributos, alocação de novas faixas de frequência para a construção de redes de acesso em banda larga e pela oferta ao mercado de novas outorgas para a prestação de serviços de telecomunicações.

"Os novos desejos de consumo da classe C são internet e computador. No mercado emergente há um potencial de 32 milhões de consumidores de serviços de internet", disse o executivo. Ele citou pesquisa do Banco Mundial, divulgada em junho, segundo a qual um avanço superior a 10% da banda larga entre a população de países emergentes é capaz de gerar uma alta de 1,38% do Produto Interno Bruto (PIB). Do lado da empresa, a Telefônica diz que até o fim de março de 2010 cobrirá 622 localidades ou 97% dos municípios de sua área de concessão (São Paulo). Em dezembro, a companhia espera cobrir 591 cidades.

 

Campanha

 

Valente também informou que a operadora deverá retomar até o final deste ano a campanha ativa de vendas de pacotes do Speedy. Essa iniciativa está interrompida devido a problemas na rede de dados da empresa, que resultaram inclusive na decisão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de suspender as vendas do serviço em junho passado.

 

O executivo destacou que, além de aumentar a base de clientes e o número de municípios atendidos pela companhia, a direção da empresa traçou como meta reduzir drasticamente o número de reclamações de clientes no Procon. "Nosso objetivo é chegar a um quarto das reclamações do nosso concorrente", afirmou.

 

Considerado surpreendente pelo executivo, o ritmo de vendas desde o final de agosto permitiu à Telefônica "mais do que compensar" a queda na base de clientes registrada durante o período em que a operadora foi impedida pela Anatel de negociar pacotes. Segundo estimativas de Valente, o número de clientes do serviço Speedy, que até aquele momento era de aproximadamente 2,7 milhões de clientes, está prestes a superar 2,8 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
internetTelefônicaSpeedy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.