Spread bancário ainda tem espaço para cair, afirma Maciel

Queda na inadimplência e concorrência fizeram indicador cair 3,6 pontos em 12 meses até março, segundo chefe do Departamento Econômico do BC

Célia Froufe e Eduardo Cucolo, da Agência Estado,

26 de abril de 2013 | 13h37

BRASÍLIA - O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, avaliou nesta sexta-feira, 26, apesar de estar em trajetória de queda, o spread bancário ainda tem espaço para cair. Principalmente se for considerada uma melhora da produtividade do sistema financeiro. "Esta é a melhor maneira de redução", considerou durante entrevista coletiva.

O técnico destacou que o spread total do sistema financeiro recuou 3,6 pontos porcentuais em 12 meses encerrados em março. Segundo ele, o movimento foi causado por um quadro melhor da inadimplência e, principalmente, com a maior concorrência do setor verificada desde o ano passado. De acordo o Maciel, os indicadores estão "robustos".

No caso do cheque especial, o chefe do departamento econômico salientou que, apesar de continuar a ser uma modalidade cara de financiamento, houve um recuo de 32,2 pp de março do ano passado para o mesmo mês de 2013, com a taxa média ficando em 137,9% ao ano no mês passado. "Isso também é o acirramento concorrencial", explicou.

Tudo o que sabemos sobre:
spread

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.