SR Rating põe títulos do Brasil em observação positiva

O Comitê de Classificação de Riscos da SR Rating, empresa brasileira que atua sob a direção do economista Paulo Rabello de Castro, colocou nesta terça-feira as avaliações de emissões de dívida soberana do Brasil, tanto em moedas estrangeiras quanto em reais, em situação de "atenção positiva" (observação positiva). Com esta medida, ambas as notas atuais têm probabilidade "subirem um degrau na escala internacional", segundo informação divulgada por meio de nota à imprensa. A dívida em moeda estrangeira passaria, desta forma, de BB para BB+, enquanto a dívida em reais passaria de BB- para BB.De acordo com a SR Rating, a última reclassificação positiva do risco soberano da República feita pela empresa foi em janeiro de 2004. "Havia a perspectiva de sensível melhora, então prevista naquela época, das condições de gestão de política econômica pela administração do presidente Lula, bem como do panorama internacional", afirmaram os técnicos da instituição no documento, acrescentando que, de fato, o prognóstico sobre o progresso da capacidade de pagamento de obrigações em moedas estrangeiras do emissor Brasil foi confirmado.A decisão de colocar o risco soberano em atenção positiva para reclassificação, ainda segundo a nota à imprensa, baseia-se em um conjunto de fatores.Entre eles estão: a redução do nível de vulnerabilidade externa e, conseqüentemente, a ampliação substancial da capacidade de pagamento de obrigações em moedas estrangeiras; a consolidação, no plano político interno, das noções básicas de austeridade em finanças públicas, elevando-se o grau de autonomia efetiva dos gestores técnicos do Tesouro Nacional e do Banco Central; e a conformidade e apoio explícito da opinião pública sobre a manutenção da estabilidade econômica, sem prejuízo da meta almejada do crescimento.Também fazem parte deste cenário traçado pela SR Rating os resultados traçados e projeções mais confiáveis quanto à trajetória de redução, mesmo que gradual, do endividamento público interno, tanto do governo central quanto dos governos estaduais; o aumento da resistência da economia brasileira e eventuais abalos das condições internacionais ou do ambiente político interno; e a melhora do ambiente social.Ainda conforme a nota, o conselho técnico-consultivo da SR Rating também será ouvido em relação às projeções do ambiente econômico, social e institucional. Fazem parte do conselho, entre outros, Rubens Branco da Silva (chairman), Affonso Celso Pastore, Amaury de Souza, Carlos Alberto Protasio, Claudio Roberto Contador, Diogo de Figueiredo M. Neto, Fernando A. Albino de Oliveira e Fernando Henrique da Fonseca, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.