Eliaria Andrade/Estadão
Eliaria Andrade/Estadão

Startup usa internet para concorrer com grifes famosas

Criada em novembro de 2012, Livo vende 250 opções de óculos com design próprio na web e em três lojas próprias

Marina Gazzoni, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2015 | 02h03

A diferença de preços entre os óculos vendidos no Brasil e no exterior chamou a atenção dos empresários Arthur Blaj, Raphael Neves e Guilherme Freire para a oportunidade de lançar uma marca própria de óculos. Criada em novembro de 2012, a Livo oferece modelos próprios a um preço fixo de R$ 294.

A Livo oferece hoje 250 modelos, todos feitos no Brasil em fábricas terceirizadas. A solução para viabilizar a venda de um produto de qualidade, com design moderno e preço competitivo foi eliminar intermediários, explica Blaj, sócio e diretor executivo da Livo. A empresa entrou no mercado com um e-commerce próprio.

A venda de óculos pela internet ainda enfrenta a resistência do consumidor, que, muitas vezes, quer experimentar o produto. Para driblar essa barreira, a Livo investiu em tecnologias como um provador virtual e um guia de rosto. Essas ferramentas permitem que o cliente teste o óculos usando a webcam ou e veja dicas de modelos mais indicados para o seu formato de rosto. A Livo também lançou na cidade de São Paulo um serviço de "provador delivery", no qual um ciclista leva os produtos para o cliente experimentar.

O e-commerce ainda é pouco explorado pelas varejistas tracionais. Um estudo da consultoria GS&MD aponta que apenas 6% das óticas têm e-commerce, mas o consumidor já compra no canal motivado por preços menores e uma experiência prévia com as marcas.

Lojas físicas. A Livo fez uma experiência no varejo físico entre janeiro e agosto do ano passado, com uma loja temporária na Rua Oscar Freire, em São Paulo, e decidiu entrar no segmento de vez. "Era pra ser um teste de dois meses, mas deu certo e decidimos entrar no varejo físico", conta Blaj.

A Livo abriu três lojas físicas no Rio e em São Paulo em 2014 e planeja pelo menos mais três unidades no segundo semestre deste ano. "A venda do site aumenta a cada loja física que abrimos", disse Blaj. Até a metade do ano, o foco é planejar a expansão para evitar esbarrar em gargalos logísticos.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Pauloótica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.