Startups: Quer saber o impacto da covid-19 nestas novatas?

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Conteúdo Patrocinado

Startups: Quer saber o impacto da covid-19 nestas novatas?

Então responda ao questionário da FEA-USP, que resultará numa pesquisa sobre como a pandemia está afetando essas empresas

Fundação Instituto de Administração (FIA), Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

25 de junho de 2020 | 14h51

Não é segredo para ninguém que o mundo não será mais o mesmo no pós-pandemia. O coronavírus está provocando grandes transformações na sociedade, na economia e não é diferente no universo das startups. Neste contexto, o pesquisador Thiago Iglesias, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP), está tocando uma pesquisa que tem por objetivo avaliar os impactos da covid-19 nas startups brasileiras. “Quero identificar quais foram as estratégias adotadas por aquelas que tiveram resultados positivos, se mudaram a precificação, o canal de abordagem dos clientes”, diz. “A ideia é entender o movimento que as startups bem-sucedidas tiveram para ajudar outras em cenários de incertezas econômicas”, acrescenta Iglesias, que também é responsável pelos programas de aceleração da Liga Ventures, uma aceleradora com viés corporativo.

A pesquisa é orientada pelos professores Moacir de Miranda Oliveira Júnior, chefe do departamento de Administração da FEA-USP e por Felipe Mendes Borini, também da FEA-USP. A ideia do estudo surgiu de uma conversa a respeito das consequências do coronavírus no ecossistema de inovação e empreendedorismo. “Começamos a pensar em aproveitar a pandemia para entender as mudanças nos modelos de negócios das startups”, explica Oliveira Júnior, que tem uma linha de pesquisa voltada a startups e a corporate ventures, expressão que designa os investimentos (geralmente de grandes) corporações em negócios nascentes.

Para ter um diagnóstico preciso de como a covid-19 está impactando as startups nacionais em seus indicadores de performance, nos produtos e serviços oferecidos, nas vendas, nos canais de distribuição, no acesso a fornecedores, etc., Iglesias está pedindo aos empreendedores que respondam ao seguinte questionário, que toma no máximo 9 minutos.

A pesquisa tem apoio da Fundação Instituto de Administração (FIA), do portal Liga Insights e do Science meets Business (SciBiz), um evento anual organizado pela FEA-USP com o intuito de conectar o universo da ciência com o mundo dos negócios.

A coleta das respostas vai até o final de julho. A partir daí, o resultado será analisado e vai gerar uma série de dados, como os setores mais beneficiados e os mais prejudicados pela pandemia. “O objetivo é ajudar as startups a adaptar o seu modelo de negócio e também auxiliar na formulação de políticas públicas e privadas que favoreçam o ambiente de inovação”, diz o chefe do departamento de Administração da FEA-USP.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.