Stephanes: carne brasileira respeita normas sanitárias

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou hoje, em Bruxelas, que a carne bovina brasileira respeita todas as exigências sanitárias do mercado internacional. Em reunião com o Comissário de Saúde e Proteção ao Consumidor da União Européia (UE), Marcus Kyprianou, o ministro apresentou uma série de medidas que já estão em vigor no País e outras que estão em fase de implementação. Em nota, a assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura informou que o comissário disse que não tem motivos imediatos para embargar a carne brasileira. "O Brasil tem cumprido as exigências da UE para continuar exportando", disse. Stephanes ressaltou que a pecuária brasileira é "de excelente qualidade e é considerada uma das melhores do mundo. O Brasil hoje exporta carne para 140 países". A UE é o principal comprador de produtos agrícolas do País.Entre as providências do governo anunciadas ao comissário Kyprianou, estão a implantação do controle eletrônico de trânsito de animais (interno e nas fronteiras); sistema de certificados de exportação impressos pela Casa da Moeda para a UE (que começa a partir de primeiro de novembro) e testes de eficiência da vacinação contra a febre aftosa (início em dezembro). O modelo especial de certificado será implantado em novembro, quando uma missão européia chega ao País para vistoriar as condições sanitárias do rebanho brasileiro. Nas regiões de fronteiras com o Brasil, a vacinação tem sido feita de forma simultânea. De acordo com o ministro, os resultados dos testes de laboratórios são obtidos em 24 horas. Stephanes garantiu que o Brasil tem instrumentos para tomar medidas com rapidez em caso de surgimento de um foco da doença e eliminá-lo em poucos dias. O ministro informou ainda que o Brasil participa do Fundo dos Recursos do Mercosul para ajudar na vacinação e controle do gado nos países do cone sul. RastreamentoO rastreamento do gado foi outro ponto abordado por Stephanes na reunião com o comissário. O sistema está aprovado e está na fase de operação. O rastreamento já abrange 10 milhões de cabeças de gado e as toneladas do produto enviadas ao bloco estão 100% protegidas contra qualquer doença. Por ano, o Brasil exporta para a UE cerca de três milhões de cabeça de gado. Em novembro, entre 12 a 15 milhões de cabeças de gado já terão passado pelo rastreamento. O ministro lembrou ao comissário que "a UE compra do Brasil carne desossada e maturada, procedimento que evita a manifestação de doenças". ParceiroKyprianou afirmou que "o Brasil é um dos parceiros comerciais mais importantes para o bloco e que a União Européia pretende mantê-la de forma muito forte. "Tenho certeza que as duas missões veterinárias européias programadas para o Brasil ainda este ano trarão para a UE resultados positivos". Em 2006, o País exportou para o bloco US$ 2,25 bilhões em carnes. De janeiro a agosto de 2007, foram exportados US$ 1,98 bilhão, o que representa um aumento de 34,72% em relação ao mesmo período de 2007. Somente este ano, o Brasil arrecadou em exportações US$ 10 bilhões no setor de carne.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.