Stephanes: embarque de frango à China começa em 30 dias

O embarque da carne de frango brasileira exportada para a China terá início em 30 dias, disse hoje o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, antes de participar do 5º Congresso Brasileiro de Soja e do Mercosoja 2009, em Goiânia. O ministro recebeu o telefonema de um representante de sua equipe técnica, que está na China, comunicando a autorização que o país deu para a compra do produto.

CÉLIA FROUFE, ENVIADA ESPECIAL, Agencia Estado

19 de maio de 2009 | 13h21

Hoje, Brasil e China assinaram um acordo fitossanitário sobre exportações de carnes brasileiras em geral para o mercado chinês. O acordo prevê a imediata venda de carnes de frango por 24 produtores brasileiros já habilitados para exportar para a China.

"Os chineses já tinham feito o credenciamento de 23 plantas no Brasil, faltava apenas a autorização para exportar", afirmou o ministro à Agência Estado. Stephanes não soube responder aos jornalistas a quantidade que o Brasil venderá para a China. "As exportações para a China são muito boas para o setor, se bem que já exportávamos um pouco via Hong Kong", disse.

Carne suína

A negociação para venda de carne suína para China deverá ser retomada apenas em agosto, disse Stephanes, à Agência Estado. "Estamos negociando frango e suíno e isso precede o acordo sanitário. Levam-se muitos anos para ser fechado (o acordo) e hoje não temos qualquer pendência", comentou. Ele lembrou, no entanto, que, até por uma questão cultural, as negociações com a China não são tão diretas como as realizadas com outros países.

"A China não é como a Rússia, não toma decisões rapidamente", disse o ministro, referindo-se ao maior comprador de carne bovina brasileira. "No último contato que foi feito, deixaram claro que não discutem a compra de carne suína em menos de seis meses, que seria em agosto", acrescentou. Qualquer adiantamento de compra, de acordo com Stephanes, só se dará em circunstância de crise ou de falta de produto. "Esse é um processo longo (de negociação)".

Soja

Em relação à soja, o ministro disse que não há no horizonte a possibilidade de ampliação das vendas do grão para a China. "Se ampliarmos as vendas para lá, não teremos soja para exportar", disse. De acordo com ele, as exportações brasileiras do produto já superam em aproximadamente 20% nos primeiros meses deste ano o total verificado em idêntico período do ano passado. "Precisamos ampliar é a venda de frango, que caiu 5% nos primeiros meses deste ano na comparação com 2008", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
exportaçãofrangoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.