Stephanes: governo quer a recuperação de pastagens

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou hoje, em audiência pública no Senado, que o governo pretende adotar medidas que permitam a recuperação de 50 milhões de hectares de pastagens degradadas. "Precisamos adotar medidas que nos permitam sair do discurso para a prática", afirmou. O ministro admitiu que grandes pecuaristas desmatam a floresta para ampliar a atividade, sem gerar empregos. Segundo ele, é preciso adotar mecanismos para coibir essa prática. Ele demonstrou, no entanto, ser contrário a uma portaria do governo que proíba novos desmatamentos e a concessão de crédito a pecuaristas da região amazônica.Stephanes disse, ainda, que o governo avalia uma política para estimular a produção de grãos, mas não deu mais detalhes sobre as medidas que estão sendo estudas em Brasília. Em relação ao trigo, ele voltou a admitir que a falta de sementes vai impedir uma expansão maior da área plantada, mas disse que num prazo de cinco a seis anos o Brasil voltará a ser auto-suficiente na produção do cereal.Quanto ao zoneamento da cana-de-açúcar, Stephanes disse que o assunto está sendo estudado no governo, mas lembrou que a tendência é de proibição do plantio no bioma amazônico. Ele lembrou, ainda, que o crescimento da produção agrícola é resultado do aumento da produtividade das lavouras e que 70% dele é resultado do maior rendimento. Sobre o aumento dos preços do álcool e os comentários de que falta o combustível nos postos, ele disse que o ministério não tem informações e que, do ponto de vista da produção, não há motivos para desabastecimento ou aumento de preços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.