Stephanes promete resolver crise com a UE em 60 dias

É o tempo em que ficará pronto o novo sistema de rastreabilidade do gado

Fabíola Salvador, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2008 | 00h00

Em uma tumultuada audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, informou ontem que a reformulação do sistema de rastreabilidade do rebanho bovino será concluída em até 60 dias. Com as mudanças, o problema com a União Européia (UE), que exige do Brasil a identificação dos animais desde o nascimento até o abate, estará, segundo ele, "definitivamente resolvido". O ministro voltou a admitir falhas e disse que, no processo de implantação do sistema atual, as empresas responsáveis pela certificação dos rebanhos cometeram erros "gravíssimos". Os frigoríficos cometeram "erros graves" e os pecuaristas, segundo ele, não cometeram "erros graves nem gravíssimos" porque não tiveram o incentivo necessário para aderir ao sistema. "Muita gente errou, todos os atores erraram", afirmou.Stephanes disse que o ministério pouco pode fazer para punir os responsáveis pelas falhas. De acordo com ele, em relação às certificadoras, o governo pode descredenciar as empresas que não cumprem as determinações do ministério. Desde o ano passado, 20 delas já foram descredenciadas. Além disso, afirmou o ministro, funcionários envolvidos nas fraudes podem ser punidos.Stephanes não quis adiantar que medidas serão adotadas, mas avaliou que elas permitirão ao País "tirar uma espada da cabeça". Na terça-feira, o governo suspendeu a inclusão de novas propriedades na base nacional de dados do serviço brasileiro de rastreabilidade, o Sisbov. As inclusões só serão permitidas depois de auditado o trabalho das 47 certificadoras credenciadas pelo ministério.Para o ministro, as falhas no processo de rastreabilidade dos rebanhos e o comércio de carne para os 27 países do bloco estarão resolvidos até o fim deste ano. A UE absorve 18% da carne bovina vendida pelo País e responde por 30% da receita cambial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.