André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

STF decide que regras de MP de regime aduaneiro só valeram durante vigência da medida

Medida Provisória tratava sobre a movimentação e armazenagem de mercadorias importadas ou despachadas para exportação

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2018 | 22h39

BRASÍLIA -  O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que as normas de outorga de licença para exploração de Centro Logístico e Industrial Aduaneiro (Clia), regidas pela extinta Medida Provisória 320/2006, só valem para processos judiciais e administrativos que foram iniciados e finalizados durante a vigência da MP, revogada pelo Senado Federal em dezembro de 2006. Ela havia sido publicada em agosto do mesmo ano e procurava alterar a legislação aduaneira.

A MP tratava sobre a movimentação e armazenagem de mercadorias importadas ou despachadas para exportação, alfandegamento de locais e recintos, e licença para explorar serviços de movimentação e armazenagem de mercadorias em Centro Logístico e Industrial Aduaneiro.

A discussão no plenário surgiu por um pedido da Associação Brasileira das Empresas Operadoras de Regimes Aduaneiros (Abrepra) e outras entidades para que valessem somente os pedidos de licença de Clia atendidos pela Receita Federal enquanto vigorou medida provisória.

++ Entenda o que é o Repetro

As entidades afirmam que até a edição da MP, atividades "substancialmente idênticas" eram desenvolvidas pelos chamados "portos secos", registrados na Receita Federal.

"Na época, estavam registrados perante a Receita Federal 56 portos secos". Depois da edição da norma, foram apresentados 43 pedidos de instalação e/ou migração de Clia, oficialmente 34, perante a receita, sustentam as entidades.

Mas quando o Senado Federal rejeitou a MP em dezembro de 2006, não houve nenhuma edição de decreto para regular as relações jurídicas que haviam sido estabelecidas enquanto vigorou a MP.

De todas as solicitações de Clia, somente cinco foram deferidas à época. Diante disso, diversas empresas acionaram - e continuaram acionando - o Poder Judiciário. 

++ Com Repetro, Petrobrás economiza R$ 21 bilhões

Por maioria, o STF definiu que a MP só teve eficácia para aqueles que tiveram o pedido deferido pela Receita durante o período de vigência da medida.

Divergência. Um dos votos vencidos, o ministro Luís Roberto Barroso disse que a situação gera um tratamento não isonômico entre as empresas, porque a não apreciação de pedidos feitos à época é de responsabilidade da administração pública. “Foram 43 pedidos protocolados, apenas cinco deferidos”, disse o ministro.

No entanto, para a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que era relatora da ação e favorável ao pedido, caso as solicitações pudessem ainda ser deferidas, isso ofenderia os princípios “da separação de poderes de segurança jurídica”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.