André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

União perde disputa bilionária sobre Fundef

Com decisão do STF, governo federal pode ter de reembolsar R$ 50 bi para Estados

Breno Pires, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2017 | 21h33

BRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a União deve ressarcir valores que deixou de complementar a Estados com relação ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), que vigorou entre 1998 e 2006. A decisão que considerou incorreta a fórmula de cálculo usada pela União, por 5 votos a 2, foi tomada no julgamento de ações de autoria da Bahia, de Sergipe, do Rio Grande do Norte e de Amazonas.

Segundo estimativa do governo federal, a tese que prevaleceu pode implicar perdas de até R$ 50 bilhões para os cofres públicos federais, se considerados todos os Estados. Os ministros vincularam os repasses que precisam ser feitos pela União aos Estados ao uso na Educação.

A metodologia do cálculo do repasse da União aos Estados, prevista na Constituição e na lei que criou o Fundef, provocou interpretações diferentes. O governo federal considerou a divisão da receita pelo número de alunos do ensino fundamental matriculados no ano anterior em cada Estado. Esse seria o valor mínimo por aluno. Se o Estado não tivesse condições para depositar no fundo esse valor, a União complementaria.

++ Poupança tem captação líquida de R$ 2,14 bi em agosto

Os Estados, porém, defenderam outro entendimento: o valor global das receitas arrecadadas pela União deveriam ser divididos pelo número de alunos matriculados em todos os Estados. Esse seria o mínimo gasto por aluno em todo o País. O Estado que não obtivesse esse mínimo no Fundef teria complementação da União. Essa foi a interpretação vitoriosa.

Decisão. A Advocacia-Geral da União sustentou que não havia erro de cálculo porque não haveria um único fundo nacional, e sim um fundo de cada Estado, e os valores poderiam ser complementados considerando parâmetros de cada Estado.

“O constituinte exigiu que a ajuda financeira fosse proporcional à capacidade de investimento e ao número de alunos matriculados em cada Estado. Pretendeu-se dessa forma superar as desigualdades regionais”, destacou o ministro Luís Roberto Barroso, em seu voto.

Os ministros Edson Fachin, Rosa Weber, Celso de Mello e Cármen Lúcia também votaram a favor do pedido dos Estados contra a União. Ficaram vencidos o relator, Marco Aurélio Mello, e Luiz Fux, que acolheram o entendimento da AGU. Os demais ministros não compareceram à sessão.

++ Congresso conclui votação de revisão das metas fiscais com rombo de até R$ 159 bilhões

“A finalidade da criação do Fundef, na minha visão, foi a uniformização da qualidade do ensino fundamental na busca do objetivo previsto na Constituição, ou seja, a redução das desigualdades sociais e regionais”, afirmou Rosa Weber.

O plenário do STF decidiu também que os ministros relatores de ações com pedidos semelhantes de outros Estados podem aplicar livremente a tese firmada pela Corte nessa sessão. Além das quatro ações julgadas no STF, de relatoria do ministro Marco Aurélio Mello, há outras quatro em que os relatores já decidiram monocraticamente a favor dos Estados. O ministro Fachin julgou procedente as ações de Alagoas, Minas Gerais e Ceará. Ricardo Lewandowski fez o mesmo em relação ao Pará. Há ainda uma nona ação no STF, de Pernambuco, aguardando decisão. A relatoria é de Rosa Weber.

Cálculo. A forma como a União deverá compensar os Estados que tiveram ações declaradas procedentes ainda terá de ser definida, o que só acontecerá após a ação transitar em julgado. A União tem a chance de apresentar um tipo de recurso contra a decisão final, os chamados embargos declaratórios. Os cálculos dos valores deverão ser feitos a partir de agora pelos Estados vencedores e a AGU poderá apresentar suas próprias projeções em seguida. A taxa de juros e correção monetária ainda deverá ser apontada pelo Supremo.

O Fundef – que foi substituído em 2007 pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica – previa um valor mínimo anual por aluno que deveria ser garantido pela União como complementação ao arrecadado pelos Estados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.