Divulgação
Divulgação

STF proíbe incorporação de adicionais aos salários

Servidores federais não poderão incorporar ganhos extras com cargos comissionados

TALITA FERNANDES, BEATRIZ BULLA , O Estado de S.Paulo

20 de março de 2015 | 02h02

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram por maioria acatar um recurso apresentado pela União que proíbe que servidores públicos incorporem ao salário o pagamento de adicionais por exercício de cargos de direção e assessoria. Com a decisão, o Ministério do Planejamento estima uma economia de até R$ 25 bilhões aos cofres públicos.

A União entrou com recurso no STF por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), contra um acórdão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que admitia que servidores efetivos que ocupassem cargos comissionados ou funções gratificadas tivessem direito a acréscimo de um quinto ou um décimo de salário a cada ano de exercício da função até dobrar o valor recebido.

Na ação, a AGU argumentou que a concessão de parcelas adicionais já havia sido proibida por uma medida provisória de 1997, que foi convertida em lei no ano seguinte. Mesmo com a proibição, diversos servidores entraram com ações na Justiça reivindicando o direito de receber os acréscimos no período compreendido entre 1998 e a publicação de uma outra MP, editada em 2001, que deu garantia aos servidores que já haviam recebido esses valores no passado. Segundo a AGU, as ações tentavam utilizar medidas provisórias que apenas regulamentavam o pagamento dos adicionais já concedidos para tentar recriar o benefício.

O relator da matéria, ministro Gilmar Mendes, votou pela aprovação do recurso. "A concessão de vantagens a servidores somente pode ocorrer mediante lei. Não há, no ordenamento jurídico, norma que permite essa ressurreição provocada pela decisão recorrida. Por isso, a meu ver, é inequívoca e flagrante a violação ao princípio da legalidade." Ele foi seguido pelos ministros Teori Zavascki, Dias Toffoli, Marco Aurélio e Ricardo Lewandowski.

Votaram contra os ministros Luiz Fux, Celso de Mello, Rosa Weber e Cármen Lúcia. Foi decidido, contudo, que os servidores que já receberam com base em decisões administrativas de órgãos públicos não terão que devolver os valores. Como a repercussão geral do caso foi reconhecida, a decisão do STF valerá para todos os pedidos de pagamento de quintos e décimos que tramitam em tribunais inferiores. São quase 900 ações, individuais e coletivas.

Tudo o que sabemos sobre:
STFsalárioserviço público

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.