STJ apela para Caixa desistir de recorrer da correção do FGTS

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Nilson Naves, fez hoje um apelo para que a Caixa Econômica Federal desista de recorrer contra as ações que pedem a reposição das perdas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) causadas por planos econômicos. ?Estou confiante que a Caixa vai desistir. Não há sentido na permanência desse processos, que já têm uma orientação?, afirmou o presidente do STJ, após um encontro com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci. No entanto, ele garantiu que não conversou sobre esse assunto com o ministro. Segundo Naves, a Caixa vai rever a sua decisão de não desistir dos processos, manifestada ontem em duas notas. ?Estou torcendo para que volte atrás, acho que voltará atrás?, afirmou Naves. O presidente do STJ procurou minimizar o mal-estar provocado p ela negativa da Caixa em desistir dos processos. ?Vamos acertar o denominador. O denominador comum será encontrado brevemente?, disse.Ele informou que conversou por telefone sobre o assunto com o presidente da Caixa, Jorge Mattoso, e uma reunião será marcada em breve entre os dois. Segundo Naves, o STJ já tem pronta uma estrutura, com salas, computadores e 20 funcionários, para auxiliar a Caixa no trabalho de análises dos 60.000 processos que pedem a reposição das perdas do FGTS. ?A estrutura está pronta?, disse.Ele acredita que essa análise possa ser feita em no máximo dois meses. O presidente do STJ disse que pessoalmente acredita que a desistência dos processos não abre espaço para que as pessoas que já assinaram o acordo com a Caixa para receber o dinheiro possam entrar na justiça. ?Não acredito que haja espaço para que essas pessoas entrem na Justiça para receber a diferença?, afirmou.Para ele, a desistência dos processos pela Caixa não representaria uma ?ofensa? para quem assinou o acordo. Naves disse que, após a desistência dos processos, a Caixa deve pagar imediatamente o valor devido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.