carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

STJ discute índice nos contratos de casa própria

Os 21 ministros da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) começaram a rediscutir hoje qual índice deve corrigir os contratos da casa própria em vigor no Plano Collor. Ainda não há decisão e o julgamento foi adiado por tempo indeterminado. Dependendo da decisão, poderá surgir um novo esqueleto, de dimensões assustadoras, podendo chegar a R$ 87 bilhões, segundo o advogado do Bradesco, o ex-ministro da Justiça Saulo Ramos.O procurador-geral da Fazenda Nacional, Almir Bastos, faz um cálculo menor, mas não menos alarmante. Segundo ele, o prejuízo da Caixa Econômica Federal (CEF) seria de R$ 22 bilhões, dos outros bancos R$ 28 bilhões, do Banco Central R$ 6 bilhões, do FGTS R$ 4 bilhões e a Emgea R$ 6 bilhões, totalizando R$ 66 bilhões. O problema surgiu porque, na época do Plano Collor, o governo corrigiu os contratos da casa própria pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que era de 84,32%. Inconformados, mutuários recorreram à Justiça argumentando que o certo seria aplicar o Bônus do Tesouro Nacional Fiscal (BTNF), que era de 41,28%, ou seja, menos da metade. O BTNF foi usado para corrigir os recursos da caderneta de poupança que ficaram bloqueados no Banco Central. O IPC foi utilizado para corrigir as cadernetas que ficaram ativas.Julgamento foi adiadoAo julgar recurso de um mutuário contra o Bradesco, o relator do caso no STJ, ministro Vicente Leal, votoufavoravelmente à manutenção do IPC como índice de correção. O segundo ministro a votar, Ari Pargendler, entendeu que o correto seria aplicar o BTNF. Em seguida, o ministro José Delgado pediu vista ao processo, adiando o julgamento por tempo indeterminado.Se a maioria dos integrantes da Corte Especial concluir que o BTNF deve ser o índice de correção dos contratos da casa própria, a saída dos bancos e do próprio Estado será tentar recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Até o ano passado, o STJ entendia que o IPC deveria corrigir esses contratos. Neste ano, no entanto, duas decisões recentes reconheceram que o correto seria aplicar o BTNF.Apesar de a União não ser parte do processo julgado ontem pelo STJ, Bastos esteve ontem no tribunal. Ao sair do plenário, disse que o assunto preocupa toda a sociedade e que o resultado não deve ser diferente se o julgamento terminar no governo Luiz Inácio Lula da Silva. "As conseqüência recairiam sobre o Estado e não sobre o governo", afirmou. Na banca de defesa dos bancos está o ex-presidente do STJ Paulo Costa Leite.Em recente visita ao STJ, o ministro da Fazenda, Pedro Malan, falou sobre essa preocupação a vários integrantes do tribunal, dentre os quais o presidente, Nilson Naves. Malan estava apreensivo com o resultado do julgamento recente no qual os ministros do STJ entenderam que deveria ser aplicado o BTNF aos contratos da casa própria. O placar daquela votação ficou em 10 a 8. Como não existe nenhuma decisão tomada por pelo menos 11 ministros, a Corte Especial resolveu rediscutir o assunto.

Agencia Estado,

06 de novembro de 2002 | 20h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.