Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Strauss-Kahn diz que FMI avalia taxa sobre operações financeiras

O Fundo Monetário Internacional estuda a ideia de fazer com que os bancos paguem uma taxa para financiar futuras operações de socorro no setor, disse o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, neste domingo.

BRIAN LOVE, REUTERS

08 de novembro de 2009 | 16h34

Ele afirmou que a taxa estaria de acordo com a proposta feita no fim de semana pelo primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, que exortou os governos do mundo a considerar a possibilidade de impor uma taxa.

Strauss-Kahn disse por telefone à Reuters que sua organização não estava buscando um imposto mundial sobre transações financeiras --a chamada Taxa Tobin--, que foi uma das várias opções levantadas por Brown.

Mas os relatos da imprensa britânica sugerindo que há uma divisão entre o FMI e o governo britânico sobre a ideia fundamental de impor uma taxa estão errados, disse Strauss-Kahn.

"Não estamos considerando no FMI uma taxa Tobin" porque corre o risco de ser inviável, ele disse.

"Estamos trabalhando em uma taxa sobre o setor financeiro que, de acordo com o que Gordon Brown disse, iria solicitar um prêmio de seguro a partir de uma atividade comercial que é mais arriscada do que outras."

O FMI apresentará em abril propostas concretas sobre a taxa aos ministros de Finanças do G20 para revisão antes de enviá-las aos líderes do grupo, em junho.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROFMISEGURO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.