Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Subsecretário dos EUA adverte Brasil sobre ´jogadas comerciais´

O subsecretário de Comércio dos Estados Unidos, Grant Aldonas, advertiu hoje que o Brasil deve manter seu foco nos acordos comerciais e não em jogadas comerciais. Ele fez essa afirmação ao ser questionado sobre sua opinião sobre a iniciativa do Brasil de expandir o Grupo dos 3 (Brasil, Índia e África do Sul) com a adesão da China e da Rússia. Aldonas insistiu em que os Estados Unidos buscam substância nos acordos comerciais que vêm fazendo com objetivo de expandir o crescimento econômico e retirar pessoas das condições de pobreza. Após audiência com o presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), ele disse, ainda, que qualquer que seja o agrupamento comercial formado no mundo, no final das contas, todos os países se voltam para as relações com os EUA. "Nós representamos 30% do PIB mundial. No final das contas, todo mundo tem de vir até nós para conversar sobre comércio, da mesma forma como nós conversamos com eles", observou. Segundo Aldonas, qualquer que seja o grupo formado, ele não traz grandes preocupações para os EUA. No caso no Grupo dos 20 (frente liberada pelo Brasil na Organização Mundial do Comécio para discussões sobre agricultura), ele insistiu em que há coincidência de tradicionais posições dos EUA a respeito da eliminação de subsídios com as do G-20.AlcaGrant Aldonas afirmou que Brasil e EUA devem manter o foco no prazo final das negociações para formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), que é 1º de janeiro de 2005. Ele disse que não subestima o desafio de se encontrar um ponto de equilíbrio nessas negociações para as posições todos os 34 países participantes. Mas reconheceu que é possível atingir a meta, se todos os países estiverem centrados na conclusão das negociações. Aldonas, entretanto, ponderou que as relações entre Brasil e EUA não podem ser reduzidas às negociações da Alca. Ele citou como um dos exemplos a cooperação entre os dois países no combate à pirataria, um dos principais temas que o trouxeram esta semana ao Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.