Subsídios agrícolas do Brasil serão avaliados

Hoje, diplomatas de EUA, UE, Canadá e Austrália vão até a OMC questionar o País

AMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA , O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2012 | 03h01

JOs governos dos Estados Unidos, União Europeia, Canadá e Austrália começam a se preocupar com os níveis de subsídios dados pelo Brasil para a agricultura. Hoje, diplomatas desses países vão questionar na Organização Mundial do Comércio (OMC) o volume de apoio do Estado brasileiro ao setor agrícola. Por décadas, foi o Brasil que questionou de forma intensa os subsídios dos países ricos, chegando a vencer disputas legais contra a ajuda americana ao algodão e a ajuda europeia ao açúcar.

Agora, o Brasil já é o terceiro maior exportador de produtos agrícolas do mundo e, em 2012, poderá fechar o ano pela primeira vez com vendas acima de US$ 100 bilhões. O que os países ricos querem saber, portanto, é até que ponto essa expansão é fruto da competitividade ou de um incremento nos subsídios.

Não se trata de uma disputa nos tribunais da entidade. Mas o questionamento é uma demonstração de que esses países estão de olho na intervenção brasileira e que estão dispostos a manter um escrutínio nos programas nacionais.

Pelas regras da OMC, o Brasil tem o direito de dar subsídios distorcivos e que afetam a produção no valor de até US$ 913 milhões, distante dos mais de US$ 20 bilhões autorizados apenas para os EUA e de um valor ainda maior pelos europeus. Há poucas semanas, o Brasil entregou à entidade um resumo de tudo o que deu para a agricultura entre 2007 e 2009. Apesar do atraso de anos, o governo insiste nos documentos que não ultrapassou o teto estabelecido pela OMC.

O que países querem saber, porém, é como o Brasil classifica seus subsídios, já que poderia estar colocando dinheiro em programas que não contariam como ajuda ilegal.

Sabatina. O governo dos EUA, por exemplo, querem saber como funciona o leilão de certos produtos, como o arroz, para entender se não há interferência do governo na garantia de preços mínimos. Milho, soja e outras commodities também são alvos de questionamentos.

As perguntas não ocorrem por acaso. Entre 2006 e 2012, o Brasil praticamente dobrou o volume de exportações agrícolas. Nos últimos meses, tanto Brasil, quanto Rússia e China, passaram a ser alvos de questionamentos em relação a seus subsídios para a agricultura. Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em dez anos, Pequim passou de zero por cento em financiamento à produção agrícola para um apoio de 20%.

O avanço da produção brasileira também surpreende esses governos. O País, por exemplo, está prestes a conquistar a posição que historicamente é dos EUA como maior fornecedor de soja no mundo. Dados da FAO indicam que a exportação brasileira vai praticamente se igualar à americana no fim deste ano e que os EUA estão "condenados" a serem superados pelo Brasil já a partir de 2013-2014.

A exportação americana cairá de 41,5 milhões de toneladas em 2011 para 36,4 milhões ao fim deste ano. No caso do Brasil, a tendência é contrária, com as vendas subindo de 31,1 milhões de toneladas para 35,6 milhões, bem acima da média de 2007 a 2010 quando o volume anual ficou em apenas 28 milhões de toneladas. Juntos, Brasil e EUA dominam hoje praticamente 70% do mercado mundial.

Não é apenas na soja que o Brasil ganhará destaque nos próximos anos. O País, segundo a FAO, já se transformou em um dos quatro maiores exportadores de milho, com 10 milhões de toneladas previstas para 2012, 10% de elevação.

No segmento de carnes, a FAO indica que o Brasil consolidará sua posição em 2012 e 2013 de vice-líder entre os exportadores mundiais. O País deve exportar 6,1 milhões de toneladas de carnes, contra uma venda estagnada dos EUA de 7,5 milhões de toneladas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.