Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Sucesso da China é governo forte e plano de longo prazo

Em concorrido seminário sobre as "Razões do sucesso da China", realizado em São Paulo, o presidente da Câmara Brasil-China de Desenvolvimento Econômico, Paul Liu, disse hoje que os chineses estão crescendo graças a um governo forte, aos planos de longo prazo e estáveis, à determinação da população para alcançar metas e aos investimentos no setor produtivo e não especulativo.Falando para uma platéia lotada de estudantes, além de empresários brasileiros, Liu lembrou que a aposta do governo chinês em educação também levou à China a ser hoje a sexta maior economia do planeta em apenas duas décadas. Liu disse que, dos 1,3 bilhão de habitantes, pouco mais da metade estudam. "São 673 milhões de alunos matriculados", disse. Liu afirmou que a China tem ainda muito a fazer, como o Brasil, mas não hesitou em mostrar algumas diferenças. Disse que o país, com dimensões continentais, conta apenas com 668 municípios, contra quase os 6 mil no Brasil.Liu afirmou que, com a entrada na Organização Mundial do Comércio, em janeiro de 2002, a China consolidou a inserção na economia globalizada. "O país é o maior mercado consumidor do mundo", disse. Ele destacou que a renda per capita chinesa já é de US$ 1 mil, com tendência ascendente. A meta da China para as próximas duas décadas é quadruplicar o PIB, como fez durante os últimos 20 anos. Liu exortou o Brasil a fazer uma aliança estratégica com a China, acrescentando que os produtos brasileiros, principalmente em setores como os de construção civil e alimentos, têm grandes possibilidades de se consolidar no mercado chinês. Ele espera que a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao país em maio aumento o intercâmbio. "Nem mesmo temos um acordo na área de turismo para facilitar a visita de milhões de chineses", disse, ao lembrar que, no ano passado, 20 milhões de turistas chineses visitaram várias regiões do planeta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.