Sucesso na troca da dívida argentina não tem patamar definido

Não há nenhuma taxa de aceitação específica, acima do qual a Argentina será capaz de declarar sua reestruturação da dívida um sucesso, disse o diretor-executivo do FMI Pier Carlo Padoan, segundo declaração citada pela agência de notícias Apcom. "Não há um dado oficial. Nós vamos esperar pelos resultados da reestruturação da dívida e, então, tomaremos nossa decisão", disse Padoan, de acordo com a agência.Contudo, em uma entrevista concedida ao jornal financeiro Il Sole-24 Ore no mês passado, Padoan havia dito que a Argentina seria capaz de dizer que o problema de sua dívida em moratória estaria resolvida se mais de 75% dos credores concordassem com os termos da operação de swap (troca).Até o dia 11, cerca de 40% dos portadores de bônus em moratória da Argentina haviam aceitado a proposta para reestruturação da dívida, mas essa taxa de aceitação deverá se acelerar conforme se esgota o prazo de oferta, que se encerra na sexta-feira. Muitos analistas esperam uma taxa de aceitação acima de 75%. O governo argentino tem dito que ficará feliz com uma taxa de aprovação de 50%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.