Bambuser/ Divulgação
Bambuser/ Divulgação

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Sueca Bambuser, do segmento de vendas online ao vivo, chega ao Brasil

Ferramenta de ‘shopstreaming’, que já é usada por gigantes como Samsung, H&M e Ikea, fechou parceria com a F*hits para atuar no mercado brasileiro

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2020 | 05h00

A ferramenta de vendas online ao vivo Bambuser está desembarcando no Brasil. A companhia sueca, que fornece tecnologia para shopstreaming – que une a apresentação de produtos em “lives” a uma ferramenta que permite a compra dos itens em tempo real –, já atende a grandes marcas globais, como a gigante de tecnologia Samsung, a rede de moda H&M e a companhia de móveis e decoração Ikea. Por aqui, fechou parceria com a empresa local F*hits, de Alice Ferraz, para oferecer a ferramenta a marcas locais.

Embora hoje a Bambuser tenha 95% de seu negócio ligado às vendas digitais, a empresa nasceu em 2007 com outro propósito, conforme lembrou a CEO da companhia, Maryam Ghahremani, em entrevista ao Estadão. A executiva disse que a ferramenta foi criada para uso jornalístico, como uma tecnologia de simplificação de transmissões ao vivo. “Os tempos de glória dessa fase foram durante a Primavera Árabe (entre 2010 e 2012), quando a Bambuser facilitou que o mundo visse a realidade daquela região.”

 

Foi o e-commerce, no entanto, que tornou a empresa comercialmente viável. E a explosão do shopstreaming se deu justamente durante o isolamento social, por causa da pandemia de covid-19. Essa nova realidade fica transparente nos resultados da companhia no terceiro trimestre de 2020: as receitas dispararam quase 1.500%, em relação ao mesmo período de 2019. A Bambuser também chamou a atenção dos investidores: desde o início da pandemia, atraiu US$ 34,5 milhões em aportes; no acumulado do ano, o total sobe para US$ 45 milhões. 

Embora plataformas globais como Instagram e Facebook estejam criando plataformas para facilitar vendas online, a executiva da Bambuser explicou que o diferencial da ferramenta sueca é ser uma “bandeira branca” a serviço dos clientes. Isso quer dizer que, embora use a solução da Bambuser, o consumidor interage diretamente nos apps ou websites de suas marcas preferidas. “E tem a questão de dados. Ao contrário do que acontece nessas empresas gigantes, todos os dados sobre o comportamento de compra ficam nas mãos das empresas. E essas informações são valiosas.”

Estreia no Brasil

A chegada da Bambuser ao País coincide também com um momento de forte crescimento do e-commerce local, uma consequência direta da pandemia, que obrigou o fechamento das lojas físicas por vários meses. “O mercado brasileiro viu um salto de 5 a 7 anos da noite para o dia”, disse a CEO da Bambuser. 

A F*hits, parceira local da ferramenta, já começou fazer os primeiros contatos com potenciais clientes locais. “É o casamento perfeito. Sempre quis fazer o atendimento 360 graus da compra online: da apresentação do produto, à consideração e finalmente à efetivação da compra”, disse Alice Ferraz, fundadora e CEO da F*hits, conhecida no mercado brasileiro por reunir um total de 200 influenciadoras. Alice também é colunista do Estadão.

Esse time poderá produzir o conteúdo para marcas e transmiti-lo via Bambuser. “Há muitas marcas brasileiras que já têm muita influência, muitos seguidores. Agora, elas terão mais essa tecnologia para vender.”

Conforme mostrou reportagem do Estadão em setembro, a lista de companhias locais apostando no shopstreaming não para de crescer. Entre as marcas investindo nas lives de vendas estão Lojas Americanas, C&A e Nespresso.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavíruscomércio eletrônico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.