Suécia considera positiva proposta de Lula ao FMI

O ministro para Assuntos Econômicos, Internacionais e Mercados Financeiros da Suécia, Gunnar Lund, disse hoje, em entrevista à imprensa brasileira, que seu país está aberto a analisar a proposta defendida pelo presidente Lula ao FMI, para que os investimentos em infra-estrutura sejam desconsiderados como despesas no cálculo do superávit primário dos países que recorrem a seu auxílio financeiro. "Estamos sensíveis a esse tema", disse Lund. "A Suécia considera positiva essa atitude, embora ainda tenhamos de concluir as nossas análises". Lund manifestou também otimismo quanto à conclusão, ainda este ano, do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Européia. Ele lembrou a disposição, já manifestada pelo bloco europeu, de apresentar uma nova proposta agrícola "mais generosa" em abril. Entretanto, foi direto ao ponto delicado, do ponto de vista do Mercosul. "Mas o Brasil e o Mercosul terão de fazer esforços para avançar nas negociações sobre investimentos, compras governamentais e serviços financeiros", disse. "O Brasil precisa confirmar que estaria disposto a, seriamente, abrir sua economia nessas áreas". Lund elogiou a política econômica adotada pelo governo, qualificando-a de "muito simpática", do ponto de vista do governo sueco e do partido que o sustenta, o Social Democrático. "Trata-se de uma política muito responsável, com rigor fiscal e estrutura macroeconômica sã, direcionada a promover a reestruturação da economia do País e a iniciar programas sociais relevantes para a melhoria da distribuição de renda", afirmou. O ministro sueco encontrou-se hoje com o ministro do Planejamento, Guido Mantega; com o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Bernardo Appy, e com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Nas três conversas, pediu apoio em favor do consórcio Saab-Gripen, que participa da licitação do governo para a compra de caças para a Força Aérea Brasileira.

Agencia Estado,

17 Março 2004 | 17h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.