Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Suez: contrato com Petrobras não garante fornecimento

O contrato assinado entre o grupo franco-belga Suez e a Petrobras para o fornecimento de gás natural liquefeito (GNL) não garante o fornecimento firme do combustível, esclareceu o presidente do grupo Suez no Brasil, Maurício Bahr, em entrevista à Agência Estado. Conforme explicou, o fornecimento efetivo vai depender de negociações adicionais envolvendo o volume, o preço e o prazo de entrega. "É um acordo inicial, que vai acelerar o fechamento de um negócio efetivo, quando houver o interesse da Petrobras", complementou.De qualquer forma, o executivo prevê que o segmento de GNL tende a crescer bastante nos próximos anos no Brasil. Ele lembrou que a Petrobras está construindo duas bases de regaseificação (uma no Rio e outra no Ceará), no total de 20 milhões de metros cúbicos diários. "Já é um começo. A estrutura tem de ser montada e o mercado é promissor", acrescentou. Na América do Sul, o grupo está implantando uma planta de regaseificação no Chile, com capacidade de processar 5 a 6 milhões de metros cúbicos diários, o que é suficiente para gerar até 2.400 MW médios numa usina térmica.A Suez atua no mercado internacional de GNL e tem participação numa planta de liquefação em Trinidad & Tobago, na América Central. A planta tem capacidade de liquefazer o equivalente a 36 milhões de metros cúbicos diários, o que é mais do que o contrato assinado entre o Brasil e a Bolívia, que prevê volume de 30 milhões de metros cúbicos. Bahr ressalva, porém, que a demanda por GNL está crescendo muito no mercado internacional. "Há mais plantas de regaseificação sendo construídas no mundo do que as plantas de liquefação. A demanda está muito forte e há um desequilíbrio no mercado", observou.

ALAOR BARBOSA, Agencia Estado

09 de novembro de 2007 | 19h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.