Suíça prepara medidas para aliviar efeitos do câmbio

O ministro da Economia da Suíça, Johann Schneider-Ammann, disse hoje que o país enfrenta uma situação séria como resultado da recente valorização do franco suíço e pode adotar medidas usadas durante a crise financeira para ajudar alguns dos setores mais afetados. Ele afirmou que o governo poderá dar mais detalhes sobre as medidas estudadas na próxima segunda-feira.

REGINA CARDEAL, Agencia Estado

19 de janeiro de 2011 | 13h05

O governo suíço poderá estender a ajuda e o financiamento a setores como o de turismo e subsidiar o trabalho em meio período, para que as empresas possam reduzir as horas trabalhadas em vez de demitir funcionários, afirmou Schneider-Ammann. Os problemas causados pela valorização de 16% do franco em relação ao euro e de 7% ante o dólar no ano passado foram discutidos em reunião na semana passada. Schneider-Ammann disse que o governo examinou as medidas propostas neste encontro.

Embora muitos exportadores estejam sofrendo com o fortalecimento do franco, Schneider-Ammann destacou que a Suíça não está em crise por causa disso. "Há também alguns ganhadores com o franco forte", afirmou. O ministro disse ainda que o banco central do país é o único responsável pela condução da política monetária.

Schneider-Ammann afirmou que pedidos, nas discussões da semana passada, para um "acordo de cavalheiros" entre os bancos suíços, para que evitem a especulação no mercado de câmbio, não são uma opção viável. "Um esquema semelhante foi usado nos anos 1970 e não resultou em nada. E como apenas cerca de 5% das transações euro-franco ocorrem na Suíça, o esquema não funcionaria", disse Schneider-Ammann. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.