Jefferson Pancieri/Prefeitura de São Paulo
Jefferson Pancieri/Prefeitura de São Paulo

Summit Imobiliário terá leilão online

Evento, realizado pelo ‘Estadão’ em parceria com Secovi, vai oferecer pela primeira vez um leilão ao vivo de imóveis

Gilmara Santos, especial para o Estado

03 de abril de 2019 | 04h00

O sonho da casa própria lidera a lista de desejos dos brasileiros. Estudo realizado pela Locomotiva Pesquisa & Estratégia mostra que 31% dos entrevistados querem ser dono de um lugar para morar. No entanto, tornar esse desejo realidade nem sempre é fácil. Mesmo com os financiamentos imobiliários mais acessíveis e com uma variedade grande de produtos, às vezes os valores das propriedades não cabem no bolso. Ainda pouco conhecido do público, o leilão de imóveis pode ser um caminho viável.

Neste ano, o Summit Imobiliário, evento realizado pelo Estadão em parceria com o Secovi-SP, terá pela primeira vez um leilão ao vivo de imóveis feito em parceria com a Moving Leilões, Sodré Leilões e Mega Leilões.

Ao todo, oito unidades do banco Santander estarão disponíveis para os interessados. Os imóveis estão localizados nos bairros de Santana, Parada Inglesa, Bela Vista, Casa Verde, Vila Pompeia, Bosque da Saúde e Santo Amaro. Os lances podem ser feitos presencialmente, no dia 16 de abril, ou pela internet no site dos leiloeiros.

O primeiro passo para quem quer participar do leilão é se habilitar fazendo um cadastro prévio pela internet. Feita a habilitação, é importante consultar os imóveis disponíveis. “No edital, é possível saber todos os detalhes do imóvel e se há alguma problema. A segurança deste tipo de compra é total, com o comprador tendo a seu favor, justamente, o edital”, explica Fernando Cerello, leiloeiro da Mega Leilões.

Alguns imóveis estão desocupados e outros têm moradores. No caso de unidades ocupadas, leiloeiros explicam que aquele que adquire a propriedade pode negociar a saída diretamente com o morador, sendo que na maioria dos casos a desocupação ocorre de forma amigável. Mas em situações em que isso não é possível, um processo judicial determina a saída do imóvel em poucos meses.

Neste pregão, despesas com condomínio e IPTU são de responsabilidade do banco até o dia da aquisição. Os leiloeiros sugerem ainda que os interessados conheçam o condomínio e a região antes do leilão.

“A compra deve ser feita com a razão e não com a emoção”, alerta Moacir De Santi, leiloeiro da Sodré. Para isso, aconselha, é importante verificar o valor do imóvel, lance mínimo e até que valor a pessoa está disposta e pode pagar pelo bem. “É importante lembrar sempre que as despesas com escritura e transferência do imóvel ficam por conta do comprador, que deve ainda reservar 5% do lance para arcar com os honorários do leiloreiro”, diz o Marcelo Bellotti, CEO da Moving.

O pagamento pode ser feito em parcela única, com 10% de desconto sobre o valor arrematado; será possível dividir em até 11 vezes sem juros, sendo necessário um sinal de 20% do imóvel; ou usar o financiamento imobiliário. “No caso de financiamento, sugerimos fazer uma simulação antes com o banco para ter certeza que terá o crédito para pagamento, caso arremate o imóvel”, diz De Santi.

Imóveis

Um dos imóveis oferecidos será um apartamento de 84 metros quadrados, com duas vagas de garagem, no bairro de Santana. O imóvel custará R$ 392 mil. Há também um imóvel no Bosque da Saúde, de 274 metros quadrados, pelo valor de R$ 1,596 milhão. Na Pompeia, os leiloeiros informam que um apartamento com 147 metros quadrados, e três vagas na garagem, custará R$ 978 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.