Superávit comercial do Brasil com os EUA cai em abril

O superávit comercial do Brasil com os Estados Unidos registrou uma redução em abril, se comparado a março, passando de US$ 698 milhões para US$ 619 milhões. Quando se somam os quatro primeiros meses do ano, o saldo está positivo em US$ 2,56 bilhões, contra US$ 3,14 bilhões acumulados no mesmo período do ano passado.No conjunto da América Latina e do Caribe, o superávit com os Estados Unidos caiu 10,9% em abril, a US$ 8,5 bilhões, informou nesta sexta-feira o Departamento de Comércio.Nos primeiros quatro meses do ano o saldo favorável aos países latino-americanos e caribenhos foi de US$ 30,98 bilhões, um pouco acima dos US$ 30,4 bilhões registrados no mesmo mês do ano passado.Déficit geralO Departamento do Comércio informou também que o déficit comercial dos Estados Unidos aumentou 2,5% em abril, chegando a US$ 63,4 bilhões. O aumento nos preços do petróleo importado, que chegou naquele mês a seu segundo nível mais alto, foi o principal fator no crescimento do desequilíbrio da balança comercial americana.Em março, o déficit havia sido de US$ 61,9 bilhões, e a maioria dos analistas achava que a balança comercial registraria em abril um saldo negativo de US$ 64,8 bilhões.Entre janeiro e abril, os Estados Unidos acumularam um déficit de US$ 254,164 bilhões, comparado ao de US$ 225,118 bilhões registrado no mesmo período do ano anterior.Em todo o ano de 2005, o déficit do comércio exterior dos Estados Unidos foi de US$ 716,730 bilhões.Além do aumento da conta de energia importada nos Estados Unidos, o crescimento econômico do país foi mais rápido que o da União Européia e do Japão, o que provocou um aumento da demanda de bens manufaturados fabricados no exterior.Alguns analistas consideram que o déficit comercial se moderará nos próximos meses devido à fraqueza do dólar, que favorece as exportações e prejudica as importações, e a uma desaceleração da despesa dos consumidores como resultado da alta das taxas de juros no país.Este texto foi atualizado às 14h41.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.