Superávit da balança comercial cai 44% no acumulado do ano

Até a 4ª semana de julho, saldo positivo soma US$ 9,3 bi, ante US$ 16,7 bi em igual período de 2009

Sandra Manfrini, da Agência Estado,

26 de julho de 2010 | 11h22

A balança comercial brasileira acumula no ano, até a quarta semana de julho, um superávit de US$ 9,364 bilhões. Segundo os dados do MDIC, o saldo acumulado no período é 44% menor que o verificado em igual período de 2009, quando somou US$ 16,711 bilhões. Por outro lado, a corrente de comércio (soma das exportações e das importações) acumulou US$ 196,768 bilhões, valor 34,6% superior aos US$ 146,215 bilhões registrados no mesmo período do ano passado.

As exportações somam, no ano até ontem, US$ 103,066 bilhões, com média diária de US$ 736,2 milhões, o que indica um aumento de 26,5% em relação à média registrada no mesmo período de 2009 (US$ 581,9 milhões). Já as importações totalizam US$ 93,702 bilhões, com média diária de US$ 669,3 milhões, um incremento de 44,7% ante a média de igual período do ano passado (US$ 462,5 milhões).

Superávit é de US$ 1,4 bilhão no mês

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 148 milhões na quarta semana de julho (do dia 19 ao dia 25), segundo dados divulgados hoje pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Na semana, que teve cinco dias úteis, as exportações somaram US$ 4 bilhões e as importações atingiram US$ 3,852 bilhões.

Com o resultado, a balança acumula um superávit de US$ 1,485 bilhão no mês. As exportações somam, no período, US$ 13,879 bilhões, com média diária de US$ 816,4 milhões, o que representa um aumento de 32,8% ante a verificada em julho do ano passado (US$ 614,9 milhões) e de 0,3% em relação a junho (US$ 814 milhões).

Já as importações somam em julho US$ 12,394 bilhões, com média diária de US$ 729,1 milhões, valor 49,3% superior ao desempenho médio registrado um ano antes (US$ 488,3 milhões) e 3,3% maior que a média do mês passado (US$ 705,6 milhões).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.