Superávit da balança comercial cai 50% em um ano

Até o dia 23 de maio, as exportações superam as importações em US$ 4,1 bi, ante US$ 8,4 bi em igual período de 2009 

Sandra Manfrini, da Agência Estado,

24 de maio de 2010 | 11h19

A balança comercial brasileira acumula superávit de US$ 4,189 bilhões no ano, até o dia 23 de maio, segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 24, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). O saldo é 50,3% menor que o registrado em igual período de 2009 (US$ 8,431 bilhões).

A corrente de comércio (soma das exportações e importações), no entanto, totaliza US$ 129,265 bilhões no acumulado do ano, valor 33,6% superior aos US$ 96,723 bilhões verificados em igual período do ano passado.

As exportações somam, no ano, US$ 66,727 bilhões, com média diária de US$ 695,1 milhões, um aumento de 26,9% em relação à média verificada no mesmo período de 2009 (US$ 547,7 milhões). As importações somam US$ 62,538 bilhões, com média diária de US$ 651,4 milhões, o que significa um incremento de 41,7% ante igual período do ano passado (US$ 459,9 milhões).

Na semana, saldo é positivo em US$ 546 milhões

A balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 546 milhões na terceira semana de maio (17 a 23). Em cinco dias úteis, as exportações somaram US$ 3,970 bilhões e as importações, US$ 3,424 bilhões.

Com o resultado da terceira semana, no mês, a balança acumula superávit de US$ 2,015 bilhões. As exportações somam US$ 12,336 bilhões no acumulado do mês de maio, com média diária de US$ 822,4 milhões, o que representa um aumento de 37,2% ante a média registrada em maio de 2009 (US$ 599,2 milhões) e de 8,5% em relação a abril último (US$ 758,1 milhões).

As importações somam, no mês, US$ 10,321 bilhões, com média diária de US$ 688,1 milhões, um incremento de 47% ante maio de 2009 (US$ 468,1 milhões) e uma queda de 0,8% em relação ao desempenho médio das importações em abril passado (US$ 693,9 milhões).

Média diária exportada caiu 5,1%

Pelo critério da média diária, houve uma queda de 5,1% das exportações brasileiras em relação ao desempenho médio apurado até a segunda semana do mês (US$ 836,6 milhões). Segundo o MDIC, essa queda foi decorrente da retração nas vendas de produtos básicos (-14,1%), por conta principalmente de soja em grão, carne de frango e suína, petróleo em bruto e fumo em folhas.

Por outro lado, cresceram as vendas de manufaturados (+6,2%), principalmente óleos combustíveis, óxidos e hidróxidos de alumínio, motores e geradores elétricos, aparelhos transmissores ou receptores, veículos de carga e laminados planos. Também aumentaram as exportações de semimanufaturados (+0,3%), com destaque para semimanufaturados de ferro/aço; ferro-ligas, alumínio em bruto, óleo de soja em bruto e ferro fundido.

As importações, que somaram US$ 3,424 bilhões na semana, com média diária de US$ 684,8 milhões, tiveram uma queda de 0,7% em relação à média registrada nas duas primeiras semanas do mês. Esse decréscimo foi motivado, segundo os dados do MDIC, pela redução nos gastos com aparelhos e instrumentos eletroeletrônicos, químicos orgânicos e inorgânicos, instrumentos de ótica e precisão, farmacêuticos e combustíveis e lubrificantes.

No mês, as exportações tiveram um incremento de 37,25% em relação a maio de 2009 (US$ 599,2 milhões). Esse aumento, segundo o MDIC, foi resultado das maiores exportações nas três categorias de produtos. No caso de semimanufaturados, o incremento foi de 63,2%, decorrente principalmente de óleo de soja em bruto, celulose, açúcar em bruto, couros e peles, ferro-ligas e semimanufaturados de ferro/aço. As vendas de básicos cresceram 45,1%, com destaque para minério de cobre, minério de ferro, petróleo em bruto, carne bovina, suína e de frango, café em grão e soja em grão. As exportações de manufaturados tiveram aumento de 21,7%, em razão das vendas de óxidos e hidróxidos de alumínio, veículos de carga, óleos combustíveis, laminados planos, autopeças, automóveis de passageiros e aparelhos transmissores/receptores.

Na comparação com abril, a média diária das exportações cresceu 8,5%, devido ao aumento das vendas de produtos semimanufaturados (+21,6%), básicos (+11%) e manufaturados (+1,6%).

O desempenho médio das importações no mês é 47% superior à média registrada em maio de 2009 (US$ 468,1 milhões), o que foi influenciado pelo aumento dos gastos com veículos automóveis e partes (+67,8%), aparelhos elétricos/eletrônicos (+64,6%), siderúrgicos (+60%), farmacêuticos (+58,1%), químicos orgânicos e inorgânicos (+49%), instrumentos e ótica e precisão (+47,3%) e plásticos e obras (+43,5%). Na comparação com abril passado, houve decréscimo de 0,8% na média importada. Esse movimento foi motivado pela queda nas importações de combustíveis e lubrificantes (-27,2%), siderúrgicos (-6,3%), plásticos e obras (-4,0%) e adubos e fertilizantes (-1,9%).   

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.