Superávit de 4,25% será mantido em Lei Orçamentária, diz Appy

O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, afirmou hoje que o governo deve manter a meta de superávit primário - arrecadação do governo menos os gastos com as autarquias municipais, estaduais, federal e as empresas estatais ? de 4,25% do PIB na Lei de Diretrizes Orçamentárias 2005, que será encaminhada ao Congresso. "A idéia é manter os 4,25% na LDO", afirmou o secretário, lembrando que esse número já foi sinalizado na LDO do ano passado e também no projeto plurianual (PPA) do governo. Já o ministro do Planejamento, Guido Mantega, perguntado se a meta de 4,25% para o superávit primário seria mantida na Lei de Diretrizes Orçamentárias que o governo deve encaminhar ao Congresso até o final de abril, respondeu: "não está batido o martelo porque a discussão não começou". Veja mais informações sobre as declarações de Mantega no link abaixo. Appy lembrou que a LDO deverá contar com uma sinalização sobre o funcionamento do modelo de superávit anticíclico que o governo pretende adotar a partir de 2005. Pelo mecanismo de superávit anticíclico, o País precisa produzir um superávit maior quando a economia cresce mais, e pode apresentar um superávit menor quando a economia cresce menos.

Agencia Estado,

09 Março 2004 | 13h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.