Superávit de junho é o melhor para o mês desde 2011

O chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central, Fernando Rocha, salientou nesta terça-feira que o superávit primário do mês passado, de R$ 5,429 bilhões, é o melhor resultado para o mês desde 2011. "Isso possibilitou a elevação do resultado acumulado em 12 meses, que voltou a 2% do Produto Interno Bruto (PIB)", comparou.

CÉLIA FROUFE E EDUARDO CUCOLO, Agencia Estado

30 de julho de 2013 | 11h41

Rocha salientou que os juros nominais registraram redução ante o mês anterior, atingindo a marca de R$ 17,6 bilhões em junho. Isso ocorreu, de acordo com o técnico, porque junho teve um dia útil a menos e porque o resultado do IPCA também ficou menor no mês. O chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central considerou ainda que o déficit nominal do mês passado, de R$ 12,2 bilhões se reduziu em relação a junho de 2012, quando estava em R$ 13,325 bilhões.

"Tudo isso considerado, mais a depreciação cambial, que foi de 3,9% no mês passado, a dívida líquida do setor público permanece em trajetória declinante e atinge 34,5% do PIB", resumiu. O resultado, destacou o técnico, é o melhor da série histórica do BC iniciada em 2001. "O fator que mais contribuiu para a dívida líquida do setor público foi o ajuste cambial", considerou, acrescentando que a redução no mês foi de R$ 26,7 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
Fernando Rochasuperávit primário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.