Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Superávit do agronegócio é recorde, US$ 31,2 bi até setembro

O superávit da balança comercial do agronegócio foi de US$ 31,277 bilhões no acumulado do ano até setembro, valor recorde, mostrou levantamento divulgado nesta segunda-feira pelo Ministério da Agricultura. Os embarques de produtos agrícolas renderam US$ 36,061 bilhões no acumulado de janeiro a setembro deste ano, recorde para o período e 11% acima do valor exportado no mesmo período de 2005. No acumulado do ano, as importações cresceram 27% em relação a igual período de 2005, totalizando US$ 4,783 bilhões. Nos nove primeiros meses de 2005, o saldo comercial foi de US$ 28,718 bilhões. No período, os embarques de cereais e farinhas cresceram 127,5%; de açúcar e álcool, 48,2%; de papel e celulose, 22,2%; e de sucos de frutas, 19%.As exportações do agronegócio renderam US$ 4,287 bilhões em setembro, crescimento de 12,2% na comparação com o faturamento de US$ 3,820 bilhões no mesmo mês do ano passado. Já os gastos com importações cresceram 46,4% para US$ 601 milhões. Em setembro, o superávit da balança comercial do agronegócio foi de US$ 3,685 bilhões, ante US$ 3,409 bilhões no mesmo mês do ano passado.DestaquesO ministério destacou o crescimento de 48,9% no faturamento obtido com os embarques de café, chá, mate e especiarias no mês de setembro. As vendas de cereais, farinhas e preparações cresceram 269,9% no mês e os embarques de fumo e tabaco cresceram 62,3% no mês. A receita cambial obtida com as vendas de açúcar e álcool cresceu 53,4% em setembro. A comparação é em relação a setembro de 2005. De acordo com a Assessoria de Imprensa da pasta, no caso do açúcar, o valor exportado cresceu 39,2% devido à elevação de cerca de 50% nos preços. O valor exportado do álcool aumentou 120%, resultado do crescimento de 34,5% na quantidade embarcada e preços 63,5% acima dos registrados em setembro do ano anterior.No mês, as exportações de carnes recuaram 0,31%. No caso da carne bovina in natura, o faturamento obtido com as vendas cresceu 39,9%, resultado do aumento de 13% na quantidade exportada e preços 23,7% superiores. De acordo com o ministério, os embarques de carne de frango recuaram 19% em setembro. Os preços internacionais caíram 8,9%, o que resultou em queda de 26,4% no valor exportado. As exportações de carne suína também diminuíram em relação a setembro de 2005. A quantidade exportada do produto diminuiu 9,5%, enquanto os preços subiram 9%, o que resultou numa redução de 1,1% no valor exportado.ProjeçãoO ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes Pinto, informou que o saldo da balança comercial do setor ficará em 2006 entre US$ 41 bilhões e US$ 42 bilhões. As exportações do agronegócio podem alcançar US$ 48 bilhões em 2006 se for mantido o ritmo de crescimento médio de 11% verificado no acumulado do ano até setembro. "Os números mostram que mesmo com as barreiras, embargos e tarifas impostas por alguns países, o agronegócio brasileiro continua competitivo e apresentando superávits recordes", avaliou Guedes.

Agencia Estado,

09 de outubro de 2006 | 16h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.