Superávit do Governo Central é de R$ 4,4 bi em novembro

As contas do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência e Banco Central) apresentaram em novembro um superávit primário (dinheiro que o governo economiza para pagar juros da dívida) de R$ 4,419 bilhões. Segundo dados divulgados hoje pelo Tesouro Nacional, esse desempenho das contas do Governo Central é resultado de um superávit de R$ 7,003 bilhões do Tesouro Nacional, um déficit de R$ 2,560 bilhões da Previdência e um déficit de R$ 23,200 milhões do Banco Central.No acumulado do ano, as contas do Governo Central registram um superávit primário de R$ 65,943 bilhões, equivalente a 2,83% do Produto Interno Bruto (PIB). Esse resultado é R$ 11,3 bilhões acima do obtido em igual período do ano passado, que foi de R$ 54,682 bilhões. O Tesouro Nacional, no acumulado do ano, apresenta um superávit primário de R$ 107,569 bilhões, enquanto a Previdência acumula um déficit primário de R$ 40,995 bilhões, e o Banco Central, um déficit de R$ 630 milhões. Receitas e despesasAs receitas totais do Governo Central cresceram 13,56% de janeiro a novembro em relação a igual período do ano passado, totalizando R$ 551,751 bilhões. De acordo com o dado divulgado hoje pelo Tesouro Nacional, a receita líquida do governo central, que exclui as transferências a Estados e municípios, somou no período R$ 457,612 bilhões, montante 13,73% superior ao verificado em igual período do ano passado. Já as despesas totais do governo central tiveram uma expansão no período de 12,65%, totalizado R$ 391,669 bilhões. As despesas com benefícios cresceram 10,57%; os gastos com pessoal, 11,52%; e as despesas de custeio e capital, onde estão localizados dos investimentos públicos, tiveram expansão de 16,71%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.