coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Superávit, exportações e importações são recordes em julho

A balança comercial do País alcançou superávit, um resultado de exportações e importações recordes em julho. Segundo divulgou nesta terça-feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o saldo total foi de US$ 5,638 bilhões no mês, resultado de US$ 13,622 bilhões em exportações e US$ 7,984 bilhões em importações. Com isso, o ganho comercial brasileiro já soma US$ 25,170 bilhões nos primeiros sete meses do ano e US$ 45,228 bilhões em 12 meses completados em junho, ante US$ 39,847 bilhões em igual período do ano passado.Segundo a série histórica do ministério, as vendas externas superaram o recorde de junho, quando somaram US$ 11,435 bilhões. Em julho, chegaram a US$ 13,662 bilhões. A média diária também pela primeira vez superou a marca dos US$ 600 milhões no mês. A maior média diária registrada era a de abril deste ano, de US$ 544,7 milhões. As importações superaram o recorde de agosto de 2005, que era de US$ 7,691 bilhões. Em julho ficaram em US$ 7,984 bilhões, com média diária de US$ 380,2 milhões. A maior média diária registrada em um mês havia sido em abril deste ano, de US$ 372,9 milhõesQuarta semana Na quarta semana de julho, com cinco dias úteis, o saldo favorável da balança foi de US$ 1,179 bilhão, resultado de exportações de US$ 2,974 bilhões e importações de US$ 1,795 bilhão e, na quinta semana, o superávit chegou a US$ 516 milhões, resultado de exportações de US$ 736 milhões e importações de US$ 220 milhões.Nos primeiros sete meses do ano, o valor das exportações do País somou US$ 74,522 bilhões e o das importações, US$ 49,352 bilhões. Importações continuam crescendoPorém, mesmo com o saldo recorde, os dados mostram que a tendência de crescimento maior das importações foi mantida no mês, quando a média diária das compras do Brasil no exterior registrou crescimento de 31,8% em comparação com a de julho de 2005. A das exportações, enquanto isso, aumentou 23,1% no mesmo período de comparação.Nos 21 dias úteis de julho, a média diária das importações, de US$ 380,2 milhões (ante US$ 288,5 milhões em julho de 2005), foi também a mais alta do ano e superou a de junho de 2006 (US$ 350,1 milhões, segunda mais alta deste ano) em 8,6%.Também a média diária das exportações foi recorde em julho, com US$ 648,7 milhões (US$ 526,8 milhões em julho de 2005), superando a de junho de 2006 (US$ 544,5 milhões) em 19,1% .Apoio ao real O analista Alberto Ramos, do banco Goldman Sachs, ao comentar o resultado da balança comercial, disse que os fluxos comerciais continuam sendo a principal âncora de apoio ao real. "Esperamos que a balança comercial feche 2006 com um superávit próximo dos US$ 40 bilhões", disse. Segundo ele, a possibilidade do superávit ser ainda maior não pode ser descartada. Este texto foi atualizado às 11h58.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.