finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Superávit japonês em conta corrente sobe em setembro

O superávit em conta corrente do Japão se expandiu ligeiramente em setembro, puxado por uma recuperação na balança comercial, embora as baixas taxas de juros ao redor do mundo e o iene valorizado continuem a pesar sobre o lucro dos investimentos no exterior. Uma queda maior nas importações do que nas exportações levou a um modesto crescimento de 0,2% no superávit em conta corrente, para 1,568 trilhão de ienes (US$ 17,462 bilhões), antes do ajuste sazonal, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério das Finanças.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

10 de novembro de 2009 | 07h31

Os superávits na conta corrente japonesa têm sido confinados a níveis baixos desde que a crise financeira global empurrou brevemente a conta para um déficit em janeiro, pela primeira vez em 13 anos. Os analistas dizem que o resultado divulgado hoje, embora tenha superado as expectativas que apontavam para uma diminuição de 2,11%, continua a sugerir que os superávits continuarão pequenos nos próximos meses.

Em setembro, as exportações caíram 32,1% em relação ao mesmo mês de 2008, para 4,776 trilhões de ienes, comparada a uma queda de 37,1% em agosto, para 4,227 trilhões de ienes. Medidas de estímulo econômico adotadas por outros países apoiaram uma ligeira elevação na demanda por produtos japoneses. Segundo os economistas, porém, o fim dos incentivos de compra que vinham impulsionando essa demanda, como o programa "dinheiro por sucata" dos Estados Unidos (encerrado em agosto), significa que a leve recuperação nas exportações japonesas pode diminuir.

As importações caíram 37,7% em setembro, para 4,176 trilhões de ienes, comparadas a uma queda de 42,8% em agosto, para 3,923 trilhões de ienes. Os baixos preços do petróleo e a fraca demanda japonesa por produtos no exterior estão por trás da queda, disseram os analistas.

O nível baixo das importações ajudou a balança comercial a apresentar um aumento de 87,1% ante setembro do ano passado, para 599,2 bilhões de ienes. No entanto, as baixas taxas de juros e o iene valorizado continuaram a deprimir a receita obtida com os títulos externos, tais como os títulos do Tesouro norte-americano (Treasuries) mantidos pelas firmas japonesas, disse o Ministério das Finanças. A receita caiu 27,1% em relação a setembro de 2008, para 1,082 trilhão de ienes. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.