Superávit pode chegar a US$ 25 bilhões, diz analista

A balança comercial deverá continuar sendo fonte de boas notícias para o governo brasileiro ao longo deste ano. A previsão foi feita pelo presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais (Sobeet), Antonio Corrêa de Lacerda, em entrevista no programa Conta Corrente, da Globo News. Segundo Lacerda, se o cenário externo permanecer favorável, o superávit deverá superar US$ 20 bilhões. "Eu acho que nós temos todas as condições de chegar a um saldo de US$ 24 ou 25 bilhões", afirmou o representante empresarial. Antonio Corrêa de Lacerda explicou que esse desempenho está muito relacionado à recuperação da economia americana e Argentina e também ao impressionante crescimento chinês, o que tem aumentado a demanda desses países pelos produtos brasileiros. "Além disso, os preços internacionais vão muito bem e o apetite exportador das empresas nacionais está muito forte", salientou. O presidente da Sobeet ressalva, no entanto, que as autoridades monetárias terão de fazer a sua parte e impedir que o câmbio se deprecie demais. "Eu acho que nós temos todas as condições de repetir uma balança semelhante à do ano passado em ternos de saldo, porém com a diferença de uma economia em crescimento."Alca: sem concessõesO representante da Sobeet não está otimista quanto às perspectivas de um acordo para superar o impasse em relação aos subsídios agrícolas norte-americanos. "Eu acho pouco provável que tenhamos avanços nesse sentido. Todos os acordos que os Estados Unidos fizeram com outros países não eliminaram praticamente os subsídios, ou ainda impuseram enormes restrições nas áreas em que esses países tinham grande competitividade", lembrou. "O que pode ocorrer é alguma melhora no item das ofertas no âmbito comercial", prosseguiu. "O Brasil tem de estar muito atento nas negociações para aqueles itens que superam as questões comerciais, como compras governamentais, propriedade intelectual, etc."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.