coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Superávit primário do governo central cai 40,3% de janeiro a abril

Economia para pagamento de juros somou R$ 26,8 bilhões no período; em abril, porém, esforço fiscal apresentou melhora perante março

Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

29 de maio de 2013 | 15h21

BRASÍLIA - Apesar do crescimento maior da economia este ano, o esforço fiscal do governo federal desacelerou. O superávit primário acumulado até abril das contas do governo central apresentam uma queda de 40,3% em relação aos quatro primeiros meses de 2012. Até abril, o superávit acumulado é de R$ 26,885 bilhões, ante R$ 45,062 bilhões no mesmo período do ano passado. O esforço fiscal caiu de 3,24% para 1,77% do Produto Interno Bruto (PIB). Em abril, porém, o esforço fiscal atingiu R$ 7,210 bilhões e apresentou melhora ante março, quando somou apenas R$ 199,1 milhões.

As despesas do governo federal estão crescendo num ritmo muito mais forte do que as receitas ao longo deste ano. Enquanto a despesa total do Governo Central registrou um aumento de 13,4% até abril, as receitas avançaram apenas 4,9%. As despesas no período somaram R$ 286,30 bilhões e as receitas totalizaram R$ 377,71 bilhões.

As despesas em abril cresceram 21,2% e as receitas tiveram uma expansão de 30,3%. No mês passado, as despesas somaram R$ 81,684 bilhões e as receitas atingiram R$ 104,26 bilhões.

As contas do Tesouro acumulam um superávit de R$ 48,017 bilhões, ante R$ 60,411 bilhões em 2012. Já a Previdência Social acumula um déficit maior, de R$ 20,848 bilhões (ante R$ 15,229 bilhões), e o Banco Central de R$ 282,9 milhões, em comparação aos R$ 120,9 milhões no mesmo período do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.