Superávit primário é recorde em fevereiro; dívida sobe

O setor público brasileiro registrousuperávit primário recorde para o mês em fevereiro, favorecidopor receitas tributárias crescentes, mas a dívida públicaaumentou em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). O superávit primário, que mede a diferença entre asreceitas e despesas não-financeiras, foi de 8,966 bilhões dereais em fevereiro, frente a 6,679 bilhões de reais em igualperíodo do ano passado, informou o Banco Central nestasegunda-feira. "As receitas estão mais elevadas e os dispêndios nãocresceram tanto assim", afirmou o chefe do DepartamentoEconômico do BC, Altamir Lopes, acrescentando que o atraso naaprovação do Orçamento deste ano contribuiu para uma contençãodos gastos. Em 12 meses encerrados em fevereiro, o superávit primárioficou em patamar equivalente a 4,18 por cento do PIB --a metapara o ano é de 3,8 por cento do PIB. No mesmo período, odéficit nominal foi de 2,07 por cento do PIB. O BC informou ainda que a dívida líquida total do setorpúblico subiu para 42,2 por cento do PIB no mês passado, ante41,9 por cento em janeiro. Contribuiu para essa elevação avalorização do real frente ao dólar no mês --de cerca de 4 porcento--, uma vez que os ativos cambiais do governo superam ospassivos. NOVAS PROJEÇÕES O BC estima que a relação dívida/PIB fechará março em 41,7por cento e chegue ao final do ano em 41,3 por cento. Aestimativa anterior, anunciada há três meses, era de que adívida ficasse em 41,5 por cento ao final de 2008. A nova projeção, segundo Lopes, refletiu a elevação daprojeção do BC para o crescimento do PIB, de 4,5 para 4,8 porcento. O prognóstico para o déficit nominal em 2008, por outrolado, aumentou de 1,2 para 1,6 por cento, acompanhando as novasprojeções do mercado para câmbio e juros. Essas projeções foram alteradas de 11,3 por cento para 11,6por cento, no caso do juro médio em 2008, e de 1,80 real para1,75 real para o dólar no final do ano, segundo sondagemsemanal do BC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.