Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Superávit primário em 12 meses está acima da meta

O superávit primário do setor público acumulado em 12 meses até abril estava em R$ 64,553 bilhões (4,53% do PIB). O porcentual já está acima dos 4,25% do PIB, que é o patamar usado pelo governo como meta para este ano. O valor financeiro, no entanto, é menor que os R$ 68 bilhões projetados de meta para o ano. Os números foram divulgados hoje pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC).Segundo o chefe do Depec, Altamir Lopes, para efeito de cumprimento desta meta, o critério a ser observado é o da relação com o PIB. Em março último, o superávit primário do setor público estava acumulado em R$ 63,678 bilhões (4,57% do PIB).O BC também divulgou que a dívida bruta do governo geral (governo federal e governos estaduais e municipais com seus agentes econômicos) terminou o mês de abril em R$ 1,131 trilhão (70,3% do PIB). O valor é menor que o R$ 1,174 trilhão (72,9% do PIB) de março e também está abaixo do R$ 1,132 trilhão (72,7% do PIB) de dezembro do ano passado. Já a dívida líquida do setor público fechou o mês de abril em R$ 839,75 bilhões (52,2% do PIB). Altamir Lopes destacou que este porcentual da relação dívida/PIB de abril é o menor desde junho de 2001, quando estava em 50,96%. A apreciação do câmbio de 13,82% no mês passado, segundo ele, contribuiu para uma queda de R$ 45,989 bilhões da dívida líquida. "Em relação a março, tivemos uma queda de 2,92 pontos porcentuais da relação dívida/PIB, com o câmbio dando uma contribuição de 2,86 pontos porcentuais e o resultado nominal, de mais 0,22 ponto", disse. O efeito estatístico de crescimento do PIB valorizado pelo BC com base no Índice Geral de Preços ? Disponibilidade Interna (IGP-DI), por sua vez, foi no sentido inverso de aumentar a relação dívida/PIB em 0,09 ponto porcentual. "Com a inflação mais baixa, a contribuição do PIB para reduzir a relação dívida/PIB será menor neste ano do que foi em 2002", disse Altamir Lopes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.