Superávit primário em 5 meses já supera meta acertada com FMI

Faltando ainda um mês, o Brasil já conseguiu cumprir com uma folga de R$ 5,668 bilhões a meta de R$ 32,6 bilhões de superávit primário - arrecadação do governo menos os gastos com as autarquias municipais, estaduais, federal e as empresas estatais - das contas do setor público acertada com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para o primeiro semestre desse ano.Nos cinco primeiros meses deste ano, as contas do setor público acumularam um superávit de R$ 38,268 bilhões, o equivalente a 5,87% do Produto Interno Bruto (PIB). No mesmo período do ano passado, o superávit acumulado era de 6,22% do PIB. Em 12 meses, o superávit acumulado até maio nesse ano é de R$ 67,461 bilhões, ou 4,29% do PIB.Déficit nominal em 12 mesesO resultado nominal ? superávit primário descontado o pagamento de juros - do setor público acumulado em 12 meses até maio atingiu os R$ 64,374 bilhões (4,09% do PIB). O valor é menor do que os R$ 69,303 bilhões (4,44% do PIB) de 12 meses até abril último. Em 2003, o déficit nominal do setor público havia ficado em R$ 79,032 bilhões (5,22% do PIB).Os gastos com juros nominais em 12 meses até maio, por sua vez, recuaram dos R$ 135,222 bilhões (8,67% do PIB) de abril para R$ 131,834 bilhões (8,38% do PIB). Em 2003, o peso dos juros havia sido de R$ 145,205 bilhões (9,58% do PIB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.