finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Superávit primário em agosto atingiu R$ 10,931 bilhões

As contas do setor público (União, Estados, municípios e empresas estatais federais) apresentaram em agosto um superávit primário de R$ 10,931 bilhões, recorde para o mês, segundo o chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, Altamir Lopes. Esse resultado é muito maior do que o registrado em agosto do ano passado, quando as contas tiveram um superávit primário de R$ 4,964 bilhões.Com esse resultado, o superávit acumulado no ano subiu para R$ 63,728 bilhões, o equivalente a 5,82% do PIB. A economia feita até agora já está R$ 6,828 bilhões acima da meta de R$ 56,9 bilhões acertada com o Fundo Monetário Internacional (FMI). De janeiro a agosto do ano passado, o superávit acumulado era de R$ 49,293 bilhões, ou 5,03% do PIB.É o bom desempenho das contas públicas que permitiu ao governo elevar para 4,50% do PIB a meta de superávit primário do setor público para esse ano. O anúncio foi feito, na última quarta-feira, pelo ministro da Fazenda, Antonio Palocci.Superávit primárioSuperávit primário é a diferença entre a arrecadação do governo e os seus gastos, exceto o pagamento de juros. Quanto maior o superávit do País, menor é a sua dependência em relação ao capital externo, o que o torna menos vulnerável aos choques externos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.