Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Superávit primário já é metade da meta de 2011, diz Tesouro

Segundo dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a economia realizada de janeiro a abril foi de R$ 41,479 bilhões; meta de superávit do governo para o ano é R$ 81,8 bilhões

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

26 de maio de 2011 | 13h50

O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) conseguiu realizar nos primeiros quatro meses deste ano a metade do valor da meta de superávit primário para o acumulado de 2011. Segundo os dados divulgados nesta quinta-feira, 26, pelo Tesouro Nacional, a economia realizada de janeiro a abril foi de R$ 41,479 bilhões, enquanto a meta de superávit do governo central para o ano é de R$ 81,8 bilhões.

O superávit primário representa a economia para pagamento dos juros da dívida pública. Ainda segundo os dados do Tesouro Nacional, no acumulado dos 12 meses encerrados em abril, o superávit primário soma R$ 95,7 bilhões, o que equivale a 2,51% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

O superávit primário de R$ 41,479 bilhões no acumulado de janeiro a abril deste ano é recorde para o período e já superou a meta prevista para até agosto de 2011, de R$ 39,974 bilhões, segundo o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin. Ele disse que o governo "precisou" fazer uma economia mais forte no início do ano.

"Já realizamos no primeiro quadrimestre do ano um superávit maior do que a meta para o segundo quadrimestre", destacou Augustin. "A gente vem adequando o primário não só à meta do ano, mas também ajustando a necessidade no decorrer do ano. No início de 2011 precisávamos de primário mais forte e fizemos isso, o que coloca uma perspectiva positiva para o ano", completou.

Restos a pagar

Apesar da reiterada promessa da equipe econômica de que os investimentos seriam mantidos, sendo poupados dos cortes orçamentários no ajuste fiscal deste ano, a execução dos investimentos previstos no Orçamento de 2011 tem sido freada. Dos R$ 13,381 bilhões em pagamentos referentes a investimentos realizados pelo governo central até abril deste ano, apenas R$ 685,808 milhões se referem a despesas do Orçamento deste ano. Os R$ 12,695 bilhões restantes são de restos a pagar de anos anteriores.

Na prática, isso significa que o governo tem desembolsado recursos apenas para investimentos empenhados em outros anos, segurando os recursos do Orçamento de 2011 para fazer superávit. Por isso, o ritmo de expansão dos investimentos vem caindo mês a mês, chegando a apenas 5% no acumulado dos quatro primeiros meses do ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em janeiro, essa expansão era de 85%, caindo para 25% no acumulado até fevereiro e para 9% no período até março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.