Superávit robusto não é suficiente para pagar juros

O forte superávit primário - arrecadação do governo menos os gastos com as autarquias municipais, estaduais, federal e as empresas estatais ? acumulado pelo setor público no primeiro semestre de 2004 foi insuficiente para cobrir o pagamento de juros feitos no período.De acordo com os dados divulgados hoje pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, foram gastos R$ 61,829 bilhões com o pagamento de juros da dívida pública nos primeiros seis meses de 2004, o que representou 7,71% do Produto Interno Bruto (PIB), o conjunto de todas as riquezas produzidas no País. No mesmo período, os governos federal, estaduais e municipais - junto com suas empresas - acumularam um superávit primário de R$ 46,183 bilhões. Com isso, o resultado nominal do setor público no semestre ficou deficitário em R$ 15,646 bilhões, o equivalente a 1,95% do PIB. Em junho, o resultado nominal das contas públicas foi deficitário em R$ 1,972 bilhão, dado que o resultado primário acumulado no mês passado somou R$ 7,915 bilhões enquanto que o pagamento de juros consumiu R$ 9,887 bilhões em recursos públicos.Nos últimos 12 meses, as contas públicas acumularam um déficit de R$ 60,418 bilhões, ou 3,79% do PIB. Em termos de juros, os gastos neste período somaram R$ 132,764 bilhões, o equivalente a 8,33% do PIB no período.Dívida líquidaA dívida líquida do setor público fechou o mês de junho em R$ 948,243 bilhões, o equivalente a 56% do Produto Interno Bruto (PIB). Apesar do crescimento nominal, dado que a dívida estava em R$ 946,669 bilhões ao final de maio, em proporção ao PIB houve um recuou, já que o estoque de maio correspondia a 56% do conjunto de riquezas produzidas no País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.