Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Supermercados acumulam queda de vendas de 1,88% no ano

As vendas dos supermercados brasileiros registraram uma queda de 4,37% em agosto em relação ao mesmo mês do ano passado. A retração elevou um pouco mais o resultado negativo do ano, que era de -1,5% em julho e passou agora para -1,88%. Por outro lado, houve um crescimento de 5% em relação a julho, mas o desempenho está sendo atribuído à ausência de feriados no mês e à existência de um fim de semana a mais, que são os dias de melhor venda no setor. Os números, divulgados hoje na 37ª Convenção Nacional de Supermercados, a Expo Abras, são em termos reais e já foram deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A retração entretanto deve ser amortizada, até o final do ano, de acordo com estimativa da Abras, que prevê um fechamento do volume de faturamento no mesmo patamar do ano passado, quando registrou R$ 79,8 bilhões. As medidas macroeconômicas devem gerar uma efeito psicológico sobre o consumo contribuindo para este resultado, avalia a entidade. CestaA cesta de produtos pesquisada pela Abras registrou uma queda de 0,75% em agosto, passando a custar R$ 186,56, ante R$ 187,96 de julho e R$ 149,71 de agosto de 2002. Os produtos que mais registraram queda de preço foram a batata (-27,12%); o tomate (- 10,67%); a cebola (- 10,67%). Os que registraram maiores altas foram a carne dianteira (4,08%); o pernil (4,03%); e água sanitária (3,71%). No ano, a cesta acumula um alta de 2,96%.

Agencia Estado,

18 de setembro de 2003 | 15h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.